*
 
 

Março é o mês das mulheres e de reafirmar a importância da igualdade de direitos, da luta contra preconceitos e abusos, bem como de reavaliar a nossa sociedade, machista e patriarcal.

Pegando carona nessa data tão importante, quero abordar um tema que está em curso neste momento no planeta, a mudança de polaridade da Terra e o reequilíbrio das energias yin e yang – feminina e masculina.

Com certeza você já ouviu falar da nova era. Se não, pode ser que ao menos esteja sentindo algumas diferenças no mundo.

As energias que fluem na Terra são feminina e masculina. Elas são opostas e muito poderosas.

Segundo Jordan Duchnycz nos ensina em um de seus vídeos, a energia masculina é concentrada e direcionada. Consegue ir em linha reta, do ponto A ao ponto B, com precisão e sem distração.

A feminina é criativa, aleatória e irreprimível. Ela flui em forma de espiral e não em linha reta, como a masculina.

A geometria sagrada e a sequência de “Fibonacci” demonstram perfeitamente como as duas energias se comportam, assim como as diferenças anatômicas entre homens e mulheres. Enquanto os homens são mais retos, nós, mulheres, somos mais curvilíneas.

Reprodução
A energia feminina – yin – manifesta-se no lado direito de nosso cérebro e está ligada de forma profunda com sentimentos, delicadeza, intuição, atenção aos detalhes, insights, proteção, receptividade, sabedorias ancestrais, compaixão, paciência, leveza, criatividade, movimento, arte.

A energia masculina – yang – é regida pelo lado esquerdo do nosso cérebro e está relacionada à razão, lógica, mente, dominação, certeza, quantidade, causa e efeito, linearidade, estratégia e praticidade.

Há um desequilíbrio em como nós, seres humanos, como espécie, desenvolvemos ambas as energias, e Jordan afirma que a masculina se sobressai à feminina – isso explica muito sobre a história da humanidade em termos econômicos, sociais, políticos, financeiros, religiosos, nucleares, bélicos e por aí vai.

A partir da década de 1980, crianças com características diferentes e incomuns começaram a nascer, principalmente nas Américas e na Europa. São chamadas de índigo, cristais ou violeta. Essas crianças vieram para ajudar na mudança de consciência da Terra e, segundo Jan Mordi, elas:

– Pensam de forma independente e podem ser extremamente motivadas. Preferem fazer as coisas à sua maneira em vez de obedecer a ordens;

– Possuem sabedoria, preocupação e nível de percepção discrepantes com sua pouca idade;

– A educação tradicional antiga, dos pais, e os velhos métodos de ensino não são efetivos com essas crianças;

– Em termos de energia, elas vibram em frequências mais elevadas, e é normal se incomodarem com energias densas;

– Podem ter problemas com ansiedade, reatividade e com frequência são diagnosticadas com problemas de foco e atenção;

– Emocionalmente, podem apresentar depressão, forte temperamento, hiperatividade e impulsividade se não forem energeticamente equilibradas;

– São criativas e pensam com o lado direito do cérebro, por isso podem ter dificuldades com o método de ensino tradicional das escolas;

– São muito intuitivas e com frequência possuem o dom da clarividência e clariaudiência;

– Com frequência apresentam sensibilidades alimentares e ambientais, pois possuem um sistema mais refinado;

– Apresentam dons e potenciais incríveis.

O DNA dessas crianças apresenta diferenças que dão a elas um poder mais amplo em relação às formas de pensar e aprender, assim tornando o atual sistema de ensino ultrapassado.

Estão nascendo também, principalmente na China, crianças denominadas superpsíquicas, pois possuem habilidades sinistras, como mover objetos com o poder da mente, conhecer alguém e saber tudo sobre aquela pessoa – ou até mesmo enxergar com várias partes do corpo.

As crianças índigo estão ligadas à energia masculina, enquanto as superpsíquicas estão ligadas à feminina.

Reprodução
De acordo com Jordan, todas essas crianças vieram para reequilibrar as energias da Terra, à medida que a mudança de polaridade se aproxima mais e mais.

As crianças índigo são muito superiores em quantidade no mundo, em relação às superpsíquicas, justamente para equilibrar o yin e yang e mudar a consciência do planeta de modo que possamos voltar a trilhar o caminho da harmonia.

Deixaremos para trás a mentalidade linear de definir tudo como certo, errado, bonito, feio, mau ou bom e voltaremos à consciência da unidade, sem separação nem polaridade.

Que essa consciência chegue para todos. Menos guerras, abusos, preconceitos, ego, ignorância. Que o amor e a harmonia prevaleçam sempre. (Fonte: Spiritual Quest)



evoluçãoAutoconhecimentocrianças índicocrianças super psíquicasyin yangmasculino feminino
 


COMENTE

Ler mais do blog