*
 

Um outro voo, da empresa VivaColombia, pousou no aeroporto José Maria Córdova, de Medellín, momentos antes da aeronave da Chapecoense cair. No Facebook, a assistente de compras Maysa Ramos Brito, 27 anos, que mora em Uberlândia (MG), conta que o piloto do avião em que estava avisou sobre problemas com o combustível e alertou sobre a aterrissagem de emergência.

Ela passa férias no país latino e, de acordo com sua descrição, o voo no qual estava teve prioridade para fazer um pouso de emergência no aeroporto José María Córdova. Enquanto isso, a aeronave que levava o time brasileiro precisou esperar.

Ao chegar ao solo, Maysa conta que precisou aguardar 45 minutos dentro do avião. Enquanto esperavam para retornar a Bogotá, os passageiros souberam do acidente — o que, segundo a brasileira, aumentou a tensão de todos. “Foi um caos, ninguém sabe ao certo o que aconteceu, todo mundo com medo de pegar outro avião”, escreveu.

Maysa comentou que ficou perplexa com a situação. “Só nos resta aproveitar o resto dos nossos dias nesse país maravilhoso, orar por essa triste fatalidade e pelas famílias, os meus mais profundos sentimentos! Aqui não se fala em outra coisa e já estão tentando entender porque um avião pousou e outro não”, explicou.

À BBC, o coronel Fredy Bonilla, secretário de segurança da Aeronáutica Civil da Colômbia disse que a emergência com o avião da VivaColômbia existiu. “Mas essa ocorrência foi atendida antes do primeiro reporte da aeronave que trazia o time de futebol.”

Leia o texto completo:

“Relato sobre a experiência mais bizarra/assustadora que já tive: Sabe o avião que caiu? Quase foi o meu!!! Estou na Colômbia com uma amiga aproveitando nossas férias, depois de 3 dias em Bogotá seguiríamos para San Andrés. Nosso voo atrasou, mas fomos mesmo assim. No meio do trajeto, o piloto explica que estávamos com problemas técnicos e pasmem também por gasolina (sic). Ele alegou que estava vazando e por isso iríamos realizar uma parada emergencial no aeroporto José Maria Cordova, o mesmo aeroporto em que o time deveria pousar. Na hora ficamos com medo mas não tínhamos ideia da gravidade, pousamos e ficamos uns 45 minutos na aeronave. Os colombianos começaram a 3ª guerra mundial, revoltados pois a posição que tivemos era que teríamos que voltar para Bogotá e só no outro dia iríamos para nosso destino final. No meio de toda confusão ficamos sabendo da queda do outro avião e veio o triste relato da policia do aeroporto. A policial informou que infelizmente eles não conseguiram pousar pois já estávamos na prioridade de emergência, ou seja, já estávamos pousando e então eles tinham que esperar o meu avião chegar ao solo… Nessa espera, eles perderam o contato com a torre e o avião caiu, ali, metros de onde estava… E se eles tivessem pousado primeiro? Talvez seria o nosso avião rodando no ar também sem gasolina! Foi um caos, ninguém sabe ao certo o que aconteceu, todo mundo com medo de pegar outro avião, criança chorando, pessoas gritando… Regressamos a Bogotá, pegamos um hotel e agora estamos no aeroporto novamente para enfim chegarmos a San Andrés! Estou perplexa e extremamente agradecida, só nos resta aproveitarmos o resto dos nos dias nesse país maravilhoso, orar por essa triste fatalidade e pelas famílias, os meus mais profundos sentimentos!! Aqui não se fala em outra coisa e já estão tentando entender porque um avião pousou e outro não”

Relato

 

 

 

COMENTE

ColômbiaChapecoenseCopa Sulamericana
comunicar erro à redação

Leia mais: Transporte