Trabalhador fica menos tempo no serviço em países ricos, diz pesquisa

Pesquisa da plataforma Our World In Data indicou que, quanto maior o PIB, menor a quantidade de tempo que se passa no local de serviço

atualizado 19/03/2021 21:58

Workers build columns of rebar to be used in construction at a Gerdau SA steel plant in Sao Jose dos Campos, State of Sao Paulo, Brazil, on Sept. 5, 2007. Cia. Siderurugica Nacional and other Brazilian steelmakers can expect ``solid results'' this year and next as global demand for metals outpaces higher raw-material costs. Photographer: Paulo Fridman/Bloomberg NewsPaulo Fridman/Bloomberg News

Uma pesquisa internacional mostra que trabalhadores de países que possuem maior Produto Interno Bruto (PIB) tendem a trabalhar menos horas do que funcionários de nações pobres ou em desenvolvimento..

Os dados são da plataforma Our World In Data. E o cálculo é direto: quanto maior o PIB per capita da nação, menos tempo as pessoas ficam no trabalho. Isso só ocorre porque, nos países com maiores rendas, os funcionários são capazes de produzir mais em cada hora de trabalho, o que acarreta em mais lucro e na capacidade de atuar menos tempo.

No início de março, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a queda de 4,1% do PIB em 2020 no Brasil. No caso brasileiro, o PIB per capita de R$ 31,8 mil correspondeu a uma média de 1.709 horas trabalhadas no ano. Os dados são de 2017.

Analisando os gráficos da Our World In Data é possível notar que, ao longo dos anos, houve um leve declínio nas horas de trabalho em muitos países. Isso, porém, não se refletiu em aumento significativo do PIB.

O Brasil, por exemplo, trabalhava 1.838 horas anuais em 2000, quando a hora trabalhada valia U$ 10,44.

O ano em que o país mais obteve produtividade por hora trabalhada, ou seja, trabalhou menos e teve maior qualidade de vida, segundo os dados, foi em 2013. Naquele ano, houve 1.756 horas de atuação média ao ano, e cada hora correspondia a U$ 17,15.

A plataforma mede a produtividade do trabalho como produto interno bruto por hora de trabalho.

O PIB de um determinado país consiste na junção de todos os bens e serviços produzidos durante um determinado período. O índice, portanto, ajuda a avaliar se a economia e o padrão de vida estão progredindo. No PIB per capita, é observada a riqueza do país distribuída para cada habitante.

A título de exemplo, é possível ver como isso funciona em países como Camboja e Mianmar. Ambos têm as taxas do PIB per capita baixíssimas. Em contrapartida, são países que computam imensas carga horária de trabalho. Em 2017, por exemplo, foram 2.456 horas anuais de um trabalhador médio do Camboja, para um PIB per capita de U$ 3.161,06.

Professora titular do departamento de sociologia da Universidade de Brasília, a doutora Lourdes Maria Bandeira enfatiza que é necessário desmistificar o imaginário de que quanto mais trabalho, maior é o lucro.

“A razão é simples: quem trabalha mais são geralmente trabalhadores menos qualificados, que se encontram nos países em atraso, onde as desigualdades econômicas são estruturais e muito profundas. Aqueles situados na escala inferior da pirâmide social são considerados como mercadoria, não como trabalhadores”, explica Bandeira.

Jackson de Toni, economista do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais de Brasília, explica que a dinâmica da produtividade do trabalho no Brasil está ligada a uma característica estrutural da própria economia do país.

“Vários fatores, como a falta de competitividade, o mercado financeiro restrito, a baixa eficiência do setor público, os marcos regulatórios confusos etc. Produtividade do trabalho é a quantidade de valor gerada pelo trabalho, por hora trabalhada”, aponta.

Ou seja, segundo De Toni, “quanto mais investimento em inovação, pesquisa e desenvolvimento, menores serão os custos produtivos e maiores as margens de lucratividade, evidenciando alta da produtividade”, elenca o economista.

Para ele, com base nos parâmetros da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), os fatores que condicionam a produtividade do trabalho em um país podem ser classificados em:

• Características da mão de obra disponível
• Características do estoque de bens de capital
• Escala de produção
• Capacitação técnica e de inovação das empresas
• Gestão empresarial

Observe nas tabelas:

Riscos do excesso

É inevitável ignorar as consequências físicas e psíquicas que o trabalho em excesso, com baixo rendimento de horas, e, consequentemente, menos lucro, representam.

O médico psiquiatra Luan Diego Marques adverte para os riscos do excesso de horas de trabalho, como a Síndrome de Burnout, que corresponde à exaustão psíquica.

“O excesso de trabalho pode desconectar o indivíduo da vida como um todo, como aproveitar os amigos, descansar em casa, curtir os filhos e família, viajar e/ou praticar esportes. Esse desfoque dessas ferramentas tão importantes para nossa saúde mental impacta diretamente na percepção sobre a qualidade de vida e influencia na maior chance de adoecimento”, alerta Marques.

Últimas notícias