PF sobre vazamentos em programa do governo: “Risco ao servidor”

Metrópoles revelou que sistema do Ministério da Economia expõe até informações sigilosas sobre agentes secretos

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luís Antônio Boudens (foto em destaque), criticou, em nota, os vazamentos de informações de servidores pelo Clube de Descontos do Governo Federal, revelado com exclusividade pelo Metrópoles. Segundo ele, a entidade classista já havia apontado o risco quanto à segurança dos dados.

“A Fenapef já havia alertado sobre a incapacidade de as empresas manterem a segurança dos dados dos servidores públicos e sobre os perigos que esta exposição poderia trazer não só aos servidores, como às suas famílias”, ressaltou, em nota.

Como mostrou o Metrópoles, entre os afetados pela exposição de informações sigilosas estão justamente agentes de segurança, inclusive aqueles que se encontram infiltrados no exercício do seu ofício.

A reportagem encontrou, por exemplo, dados de um servidor da Polícia Federal (PF) que tinha, listados no sistema do Ministério da Economia, seu local de trabalho, o nome do chefe e o órgão para o qual ele estava cedido.

A Fenapef, lembra Boudens, já havia acionado o Ministério Público para pedir que o edital de credenciamento de empresas para o Clube de Descontos fosse suspenso. “Alertamos para os perigos que poderiam trazer o vazamento de dados pessoais dos policiais federais”, pontuou ele.

O sistema expõe até mesmo informações sigilosas sobre agentes de inteligência – ou agente secreto – da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) infiltrados. Dados sobre a lotação de policiais e sobre a organização dos agentes de forças de segurança pública podem ser um risco estratégico – nas mãos do crime organizado, por exemplo, pode prejudicar operações e colocar os policiais em risco.

Promessa de Segurança
O compromisso do Ministério da Economia era que o sistema do Clube de Descontos forneceria apenas informações básicas quando as empresas pesquisassem um CPF: se a pessoa é ou não servidora, aposentada ou pensionista do serviço público federal.

O Clube de Descontos do Ministério da Economia tem sido, como o Metrópoles revelou, alvo de procedimentos no TCU desde que o edital foi lançado, em agosto do ano passado, justamente por causa da preocupação com a segurança dos dados de mais de 1 milhão de pessoas. Em todas as oportunidades, porém, a pasta negou que o perigo de vazamento existisse.