Contra fraudes no INSS, comissão vai monitorar servidores

A autarquia responsável pelo pagamento de aposentadorias e pensões anunciou, nesta quarta-feira, que criará uma estratégia de integridade

atualizado 11/12/2019 13:40

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Para coibir falhas, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) implantará uma série de mecanismos de segurança e controle no órgão. Nesta quarta-feira (11/12/2019), a autarquia responsável pelo pagamento de aposentadorias e pensões anunciou que criará uma estratégia de integridade.

As mudanças fazem parte da implantação do Sistema de Governança do INSS. O principal objetivo é diminuir fraudes nos benefícios. A ferramenta atende a diretrizes de um decreto editado em novembro de 2017.

Uma comissão ética vai monitorar a atuação de servidores. Serão cobrados transparência nos processos, capacitação, meritocracia na ocupação dos cargos e dilemas éticos.

O presidente do INSS, Renato Vieira, salientou que as medidas vão fortalecer a prevenção e repressão de irregularidades. “O programa precisa ser internalizado por todos, mas começa pela diretoria e pelos servidores”, avaliou.

De acordo com estimativa do Tribunal de Contas da União (TCU), de 11% a 30% dos pagamentos de 2017 do INSS foram indevidos — seja por erro ou por fraude.

O sistema abrange todas as unidade do INSS no país e áreas de atuação do órgão, da identificação de um pedido de aposentadoria fraudulenta até processos de licitação e compra.

Segundo o presidente, essas medidas aperfeiçoarão o cadastro dos beneficiários da Previdência social, além de agilizar a apuração de irregularidades.

Órgãos como a Polícia Federal, Controladoria-Geral da União (CGU), Ministério da Economia e Banco Central colaboraram com a criação do programa.

Últimas notícias