Sérgio Camargo quer militares e policiais em lista de homenagens a negros

Relação de nomes da Fundação Palmares pode perder integrantes como Gilberto Gil, Elza Soares, Zezé Motta e Martinho da Vila

atualizado 18/11/2020 10:56

Reprodução/Facebook

A Fundação Palmares começa, a partir desta quarta-feira (18/11), a anunciar a inclusão dos novos nomes na lista de personalidades negras da entidade. O presidente da instituição, Sérgio Camargo, adiantou que serão militares e policiais.

Para justificar a inclusão, Camargo diz que essas pessoas — sem revelar a identidade — se “destacaram pelos feitos de natureza heroico e patriótica”.

Ao fazer o anúncio, pelas redes sociais, o presidente da fundação criticou algumas personalidades que já tiveram o nome indicado à honraria. “Madame Satã e Marighella nunca serão nossos heróis. Somos pró-policia, lei e ordem”, escreveu.

João Francisco dos Santos, conhecido como Madame Satã, foi um transformista brasileiro, uma figura emblemática do movimento gay e drag na primeira metade do século XX.

Já Carlos Marighella foi um político, escritor e guerrilheiro comunista brasileiro. Um dos principais organizadores da luta armada contra a ditadura militar no Brasil.

No último fim de semana, o Metrópoles revelou que o documento que fundamentou a mudança na lista mostra que a intenção da instituição foi afastar nomes com opiniões ou comportamentos considerados “maculados” pelo órgão.

A preocupação é com pensamentos e tendências — ou com a ideologia, como gostam de apontar integrantes do governo — de alguns nomes homenageados no elenco de cerca de 90 pessoas. Internamente, a avaliação de técnicos de carreira é a de que os alvos são pessoas críticas ao atual governo.

A nota técnica que levou à edição da portaria mostra que, em vida, os homenageados podem mudar, já que as “biografias encontram-se em construção” e os nomes na lista “podem ter se passado por heróis sem sê-lo”. O documento foi enviado à Presidência da República para aprovação.

Mudanças

Na última quarta-feira (11/11), Sérgio Camargo editou uma portaria determinando que o processo de inclusão ou exclusão de nomes da lista de personalidades negras da Fundação Palmares deverá passar por processo administrativo instruído por uma comissão comandada por ele. Além disso, serão exclusivamente homenagens póstumas.

As mudanças passam a valer em dezembro, mas foram lançadas na última semana, justamente no mês em que se celebra o Dia da Consciência Negra, em 20 de novembro. Ao adiantar partes das mudanças, Sérgio Camargo falou que iria “moralizar” a listagem.

Nomes como os dos artistas Gilberto Gil, Elza Soares, Zezé Motta, Martinho da Vila, Milton Nascimento e Sandra de Sá e do senador Paulo Paim (PT) deixarão de compor o rol.

Pixinguinha, Mussum, Wilson Simonal, Luiz Melodia e o atleta João do Pulo serão incluídos na nova lista.

A Fundação Palmares defende que as mudanças são legais e estabelecem critérios para as homenagens. “A portaria busca legitimar e conferir parâmetros quanto à escolha das pessoas que compõem a lista de personalidades notáveis negras que são divulgadas no site da Fundação Palmares, visto que não havia um ato normativo sobre a matéria”, afirma, em nota.

Últimas notícias