Sem carro da prefeitura, mãe leva filha a posto de saúde em carrinho de mão

A menina de 9 anos não conseguia andar porque se contorcia de dor por conta do inchaço provocado pela doença síndrome nefrótica

atualizado 08/07/2020 16:35

Pai levando filha a unidade de saúde com carrinho de mãoReprodução

Uma criança de 9 anos, portadora de síndrome nefrótica, doença crônica que acomete os rins, precisou ser levada em um carrinho de mão a um posto de saúde em Januária, a 596 km de Belo Horizonte (MG). Indignada, a mãe, Gilvâna Carmo de Souza, registrou a cena. As informações são do Portal Uol.

De acordo com a família, a associação responsável pelo transporte para atendimento de saúde no bairro não liberou o veículo porque a distância da casa da menina até o local era pequena. Ao saber que o transporte não estava disponível e pelo fato de a filha não conseguir andar por conta do inchaço provocado pela doença, eles recorreram ao carrinho de mão.

O presidente da Associação Comunitária de Pandeiros, Daniel Nascimento Brito, afirmou que a demanda pelo carro da saúde é da prefeutira é grande e estava sendo utilizado para auxiliar uma gestante. “Nunca foi negado um socorro pra ela. Mas, infelizmente, nessa ocasião que ela precisou do carro, ele não estava”, disse.

Entretanto, Gilvânia explicou que quando viu a filha se contorcendo de dor foi até o local onde fica o carro para atendimento médico. “Eu perguntei se alguém estava com a chave do carro, mas aí já vieram falando que toda vez eu queria, querendo saber porque eu queria, e que eu tinha que agendar o carro antes. Falei que não agendei antes porque ela estava bem”, relatou.

A unidade de saúde da cidade fica a cerca de 500 metros de onde a família mora. A garota foi atendida e levada de volta para casa também no carrinho de mão, com a ajuda do pai.

Últimas notícias