Uma em cada cinco mulheres tem transtornos mentais comuns no Brasil

Relatório diz que os casos de transtorno são mais comuns na população feminina devido à sobrecarga física e mental das mulheres no trabalho

Uma em cada cinco mulheres apresenta Transtornos Mentais Comuns (TMC) no Brasil, e a taxa de depressão é, em média, mais do que o dobro da verificada entre homens. Os dados, do Instituto Cactus, são de 2021 e foram revelados pelo relatório Alerta Amarelo.

Em caso de alta sobrecarga doméstica, a incidência é ainda maior, acometendo uma em cada três mulheres.

São enquadrados como TMC sintomas depressivos, estados de ansiedade, irritabilidade, fadiga, insônia, dificuldade de memória e concentração e queixas que não preenchem critérios formais suficientes para diagnóstico.

No estudo, o Instituto Feliciência ressalta que as ameaças são maiores para a população feminina devido à sobrecarga física e mental de trabalho dentro e fora de casa. A afirmação é respaldada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que confirma que o gênero é exposto a riscos para a saúde mental por causa de processos biológicos e relações sociais.

A população feminina está na linha de frente da educação, formando 80% do quadro de professores da educação básica, e da saúde – um dos setores mais pressionados durante a pandemia de coronavírus. “Elas são a mola propulsora da economia do cuidado não remunerado”, explica o texto.

1/17
Reconhecer as dificuldades e buscar ajuda especializada são as melhores maneiras de lidar com momentos nos quais a carga de estresse está alta
Mas como saber quando buscar ajuda? A qualidade da saúde mental é determinada pela forma como lidamos com os sentimentos
Pessoas mentalmente saudáveis são capazes de lidar de forma equilibrada com conflitos, perturbações, traumas ou transições importantes nos diferentes ciclos da vida. Porém, alguns sinais podem indicar quando a saúde mental não está boa
Insônia: se não há sono de qualidade é impossível recuperar a energia necessária para seguir em um novo dia. Os distúrbios ligados ao sono são um dos principais fatores que afetam a saúde mental das pessoas
Estresse: se a irritação é recorrente e nos leva a ter reações aumentadas frente a pequenos acontecimentos, o sinal vermelho deve ser acionado. Caso o estresse seja acompanhado de problemas para dormir, é hora de buscar ajuda
Mudanças repentinas de humor: o humor depende de diferentes situações, porém, se a inconstância é persistente pode ser um sinal do corpo de que algo não está bem e pode ser necessária uma mudança de hábitos
Lapsos de memória: se a pessoa começa a perceber que a memória está falhando no dia a dia com coisas muito simples é provável que esteja passando por um episódio de esgotamento mental
Alteração no apetite: na alimentação, a pessoa que come muito mais do que deve usa a comida como válvula de escape para aliviar a ansiedade. Já outras, perdem completamente o apetite
Autoestima baixa: outro sinal de alerta é a sensação de incapacidade, impotência e fragilidade. Nesse caso, é comum a pessoa se sentir menos importante e achar que ninguém se importa com ela
Desleixo com a higiene: uma das características da depressão é a perda da vontade de cuidar de si mesmo. A pessoa costuma estar com a higiene corporal comprometida e perde a vaidade
Sentimento contínuo de tristeza: ao contrário da tristeza, a depressão é um fenômeno interno, que não precisa de um acontecimento. A pessoa fica apática e não sente vontade de fazer nada
Para receber diagnóstico e iniciar o tratamento adequado, é muito importante consultar um psiquiatra ou psicólogo. Assim que você perceber que não se sente tão bem como antes, procure um profissional para ajudá-lo a encontrar as causas para o seu desconforto

Valéria de Sousa Costa, 42 anos, tenta equilibrar o tratamento mental, os afazeres domésticos e o cuidado com os filhos. Ela foi diagnosticada com depressão, ansiedade e síndrome do pânico há 12 anos.

“No início, não aceitei, fiquei um ano lutando contra o diagnóstico. Após uma amiga insistir muito, comecei o tratamento com psicólogo e, depois, psiquiatra. Cheguei a ser internada por oito meses, e foi uma época muito difícil por ter que ficar longe dos meus filhos”, lembra.

Mãe de dois, Valéria, que cuidava dos filhos sozinha, quase desistiu da internação. “Meus filhos, pequenos, não aceitavam. Eles pediam para ficar comigo, embaixo da cama. Quis sair no meio do tratamento, mas eu não tinha condições de cuidar de mim mesma e deles.”

Pandemia

Levantamento de julho do Conselho Nacional de Secretaria de Saúde aponta para aumento estrondoso de casos de adoecimento mental no país após o início da pandemia de Covid, em 2020: os diagnósticos de depressão cresceram 41% no Brasil entre o período pré-pandêmico e o primeiro trimestre de 2022.

O relatório do Feliciência ainda destaca que o Brasil já era o país com a maior incidência de depressão na América Latina antes da pandemia, além de ocupar o primeiro lugar no ranking mundial de casos de ansiedade. “Existe um sofrimento claro. Precisamos colocar essas informações na mesa e enfrentar, de verdade, os transtornos mentais”, relata Carla Furtado, mestre em psicologia e coordenadora do relatório.

Foram quase dois anos de isolamento com o marido e três filhos, lembra Maria de Jesus, de 39 anos. Vendedora autônoma, ela teve que se dedicar integralmente à casa e aos filhos pequenos. Em outubro de 2021, o estresse e cansaço mental evoluíram para crises de pânico.

“Meu corpo e mente já não aguentavam mais. Passei a ter crises fortes no decorrer das semanas. Tremia e chorava muito, eram momentos muito desgastantes”, conta.

Desde dezembro, Maria passa por um difícil tratamento. “Está sendo difícil fazer o tratamento e ter que cuidar dos meus filhos. Sinto que não sou mais a mesma, o dia a dia é bem mais exaustivo do que antes, e vivo com o medo de ter crises de pânico em momentos que preciso dar atenção a eles, por exemplo”, desabafa.

O relatório Alerta Amarelo — Panorama da Saúde Mental do Trabalhador Brasileiro e Perspectivas de Prevenção e Enfrentamento, do Instituto Feliciência, será publicado em 5 de setembro, no portal da organização.

Em caso de pensamentos suicidas, o Centro de Valorização da Vida (CVV) disponibiliza o Portal Disque 188. Você também pode conversar com um voluntário do CVV ligando para 188 de todo o território nacional. É um serviço gratuito de apoio emocional, que funciona 24h por dia, diariamente, sem exceção de feriados, sábados e domingos.