Pesquisa mostra país dividido sobre obrigatoriedade da vacina contra Covid-19

Segundo estudo realizado pela Febraban, 49% defendeu ser a favor da imunização obrigatória e 49% se mostrou contrário

atualizado 10/12/2020 16:11

Manifestantes fazem um protesto contra o governador João Doria (PSDB) e a vacina, na avenida Paulista 1Fábio Vieira/Metrópoles

Pesquisa realizada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) aponta que os brasileiros estão divididos sobre se a vacinação contra o novo coronavírus deve ser ou não obrigatória no país. Do total de entrevistados, 49% defendeu ser a favor da imunização obrigatória e 49% se mostrou contrário à ideia.

O estudo mediu a intenção do brasileiro em se imunizar contra Covid-19: 64% disseram que vão se vacinar “com certeza” e 24% estão considerando a possibilidade. Segundo a Febraban, 8% dos entrevistados não querem tomar o imunizante.

A pesquisa da federação também avaliou o otimismo popular com a recuperação economia brasileira. Dos entrevistados pela entidade, 40% apresentaram expectativa de melhora para médio e curto prazo.

0

O percentual representa parcela da população que crê que o país vai superar questões como crise econômica e aumento do desemprego já no próximo ano.

Outro dado levantado pela federação diz respeito sobre o impacto da crise sanitária nas contas de casa. Mais de 60% dos entrevistados foram diretamente impactados pela pandemia – 31% se disse “muito afetado”. Apenas 12% consideram que a situação financeira da família não foi afetada, e 26% teriam sofrido pouco impacto da crise.

O impacto da crise sobre as finanças familiares se traduz na expectativa majoritária de redução dos gastos no Natal, em comparação com o ano passado: 77% planejam gastar menos, contra apenas 5% de expectativa de aumento de gastos e 16% de repetição do Natal de 2019.

Para obter os resultados, a Febraban ouviu três mil pessoas com mais de 18 anos, entre 22 e 30 de novembro.

 

Últimas notícias