Rio quer atingir turista não vacinado ao ampliar passaporte da vacina

Secretário de Saúde diz que outro objetivo da cidade é fazer com que cerca de 750 mil tomem a segunda dose da vacina contra Covid-19

Rio de Janeiro – A Prefeitura do Rio de Janeiro pretende dificultar a vida do turista não vacinado contra a Covid-19. De acordo com o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, este é o objetivo das novas medidas restritivas da cidade, em vigor a partir desta quinta-feira (2/12), que ampliam a exigência do passaporte da vacina.

As novas regras passaram a valer no mesmo dia em que a cidade de São Paulo cancelou a festa de Réveillon, uma preocupação a mais para o Rio, que pode receber os turistas que tinham como destino a capital vizinha.

“Como não há um protocolo para o passageiro que chega por transporte aéreo e rodoviário, medidas que precisam ser definidas pelo Ministério da Saúde, ampliamos as exigências da cidade. O turista não vacinado pode vir, mas ele não terá onde ficar, por exemplo, já que os hotéis só podem fazer reservas com a comprovação vacinal”, explica Soranz.

1/7
Secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz
Passaporte da vacina atesta se cidadãos tomaram uma ou duas doses da vacina contra a Covid-19
Turistas com passaportes de vacinação visitam o Cristo Redentor, no Rio
Homem mostra comprovante de vacinação no Rio de Janeiro
Comprovante de vacinação contra Covid na cidade do Rio
Fiscais analisam comprovantes de vacinação em pontos turísticos do Rio
A cearense Simone Lobo levou o comprovante para o Corcovado, mesmo sem saber da obrigatoriedade

Outro objetivo é ampliar a cobertura da população vacinada contra a Covid-19 na cidade. Cerca de 750 mil pessoas ainda não completaram o esquema vacinal com a primeira e segunda dose ou a dose única.

“Com certeza esta é uma preocupação. Mas temos uma boa cobertura vacinal na cidade do Rio e estamos intensificando a imunização. Hoje, apenas 5% da população adulta e 10% dos adolescentes não receberam a segunda dose (o que representa cerca de 750 mil pessoas)”, explica Soranz.

Mudanças nas regras

De acordo com o decreto publicado em Diário Oficial nesta quinta-feira (2/12), a comprovação de imunização deverá ser apresentada em shoppings, hotéis e salões de beleza. A medida também contempla serviços essenciais como restaurantes, bares e lanchonetes, mas apenas para os clientes que forem acomodados em áreas internas ou cobertas.

“Os transportes coletivos não foram incluídos porque não temos como fiscalizar tudo. E sem hospedagem, quem vem de fora não vai ficar circulando em transporte público”, completa o secretário, que afirma que a festa de Réveillon segue confirmada na cidade.

Cabe aos estabelecimentos fazer o controle de acesso nos espaços e a manutenção das áreas livres de aglomeração. O comprovante de vacinação (que deve ser apresentado junto com documento de identificação com foto) nesses locais deverá ser exigido a partir desta quinta-feira.

Para que a cidade mantenha o favorável cenário epidemiológico, Soranz diz que também está intensificando a busca ativa pelos não-vacinados e que a imunização será feita em locais de grande concentração de pessoas, como estações do metrô e feiras.

“Seguimos monitorando também os casos novos, que são muito pouco (nenhum deles grave). E aguardamos o resultado do exame feito no material colhido da paciente com suspeita de infecção pela variante Ômicron, que chegou de viagem da África do Sul dia 21 e testou positivo dia 29″, lembra o secretário. “Estamos num bom momento. Vamos seguir assim”, torce.