A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, e o ministro da Justiça, Sérgio Moro, se encontram nesta segunda-feira, às 15h, com integrantes do Ministério Público de Goiás que investigam os crimes cometidos pelo médium João de Deus.

O objetivo do encontro é debater propostas legislativas para agravar as penas quando o crime for cometido por líderes religiosos. Damares Alves, vítima de um pastor ainda na infância, é a idealizadora da proposta e deve sugerir que o agravante abranja outras situações de confiança, como professores e profissionais da saúde.

João de Deus está preso desde o final de 2018, acusado de ter cometido crimes sexuais durante as consultas no centro espírita que mantinha em Abadiânia (GO).

O plano é apresentar o texto até o próximo dia 18, Dia Nacional de Combate ao Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes.