Promotoria pede internação por 45 dias de adolescente atirador de GO

Por ser filho de policiais militares, jovem deverá ser mantido em ala separada dos demais. Depoimento de aluno foi colhido neste sábado (21)

O Ministério Público (MP) de Goiás solicitou a internação provisória por 45 dias do adolescente de 14 anos que realizou múltiplos disparos no Colégio Goyases, em Goiânia, na manhã desta sexta-feira (20/10).  Esse é o prazo estimado para a conclusão do processo e a decisão da justiça. O tiroteio deixou dois mortos, os estudantes João Pedro Calembo, 14 anos, e João Vitor Gomes, 13, e quatro feridos.

O promotor Cássio Sousa Lima informou, em entrevista a jornalistas, que o atirador deverá ser mantido em uma ala separada dos demais menores. A precaução é uma medida de segurança pelo jovem ser filho de policiais militares. O adolescente executou o ataque com uma pistola calibre .40 registrada no nome da mãe e escondida pelo aluno em sua mochila na noite anterior.

Sousa Lima afirmou ainda que um juiz deverá convocar o garoto para depor na segunda ou na terça-feira e então tomar uma decisão provisória. Só ao fim do processo, virá uma decisão definitiva. A internação máxima de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente é de três anos. Segundo o promotor, o adolescente disse estar arrependido enquanto prestou depoimento.

O adolescente prestou depoimento ao Ministério Público na tarde deste sábado (21). Ele foi ouvido pelo promotor Cássio Sousa Lima, na Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depai), onde é mantido desde sexta. O jovem foi encaminhado ao Depai após ser apreendido por policiais militares na biblioteca do Colégio Goyases. Os pais do estudante, ambos policias militares, deverão ser ouvidos oficialmente pela Corregedoria da Polícia Miliar de Goiás durante a próxima semana. (Com informações da Agência Estado)