Sem máscara, Bolsonaro passeia de moto por Brasília e causa aglomeração

O presidente parou para tirar selfies e não respeitou a orientação de distanciamento social para evitar contágio pela Covid-19

Sem usar máscara e causando aglomeração, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passeou, neste domingo (10/1), de moto, por Brasília, na companhia do assessor especial da Presidência, Sergio Cordeiro.

Bolsonaro foi à Torre de TV Digital, parou num campo de várzea, no Itapoã, e seguiu para um posto de policiamento rodoviário, no Lago Sul, onde ficou acenando para motoristas. O presidente finalizou o passeio na orla da Ponte JK, no setor de Clubes Esportivos Sul.

Em todos os locais, ele tirou fotos com apoiadores. Os seguranças pediram para a imprensa não fazer perguntas. Bolsonaro não as respondeu.

Várzea

Bolsonaro parou em um campo de várzea, onde as equipes América e Paranoano se preparavam para jogar pelo Torneio de Verão 40 Graus, no Itapoã, causando aglomeração.

Motoristas que passavam de carro às margens do campinho se dividiam entre gritos de “mito” e de “assassino”. Uma mulher gritou: “Vou colocar uma máscara nele”.

De lá, o presidente seguiu para um posto de policiamento rodoviário, no Lago Sul. Entrou no batalhão e, depois, ficou acenando aos motoristas na via e tirando fotos.

O passeio terminou na orla da Ponte JK. Apoiadores fizeram fila para tirar fotos com o presidente.

No retorno ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro parou para falar com apoiadores, que foram instalados na área interna.

Até as 13h de sábado (9/1), o país havia registrado 8.075.670 casos e 202.657 mortes por causa da Covid-19, segundo o consórcio de veículos de imprensa, com dados das secretarias estaduais de Saúde.

1/7
Bolsonaro passeou de moto por Brasília
Ele provocou aglomeração em um campo de futebol do Itapoã
O presidente da República parou no Itapoã antes do início de torneio de futebol amador
Sem máscara, ele tirou fotos com apoiadores
Alguns apoiadores também estavam sem máscara
Bolsonaro passeou pela orla do Lago Paranoá
Flagrante de aglomeração