Renan Calheiros cobra Lira para que paute impeachment de Bolsonaro

O relator da CPI da Covid já propôs alterações na Lei do Impeachment e pressionou o deputado durante sessão do colegiado

O relator da CPI da Covid-19, senador Renan Calheiros (MDB-AL), voltou a provocar, nesta quinta-feira (16/9), o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e cobrou que o deputado paute os 137 pedidos de impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Rivais políticos em Alagoas, a relação de Lira e Calheiros tem histórico de provocações e críticas. Nesta manhã, o senador aproveitou para pressionar o deputado.

“O presidente da Câmara precisa despachar os pedidos de impeachment. Ele não pode se omitir e deixar de despachar. Nós temos que suprir essas regras do ponto de vista da lei do impeachment, do funcionamento das Casas legislativas”, disse.

Calheiros defendeu, novamente, que o colegiado irá propor alterações na lei do impeachment. A mudança na legislação, no entanto, depende de aprovação no Congresso Nacional. Cabe a Lira dar o início do processo de impedimento do chefe do Executivo federal.

Resposta de Lira

Em resposta a Calheiros, Lira defendeu que a proposição de mudanças na lei “foge do escopo da CPI”.

“Sugestão todo parlamentar pode fazer, projetos todos podem fazer. Eu não ousaria querer alterar daqui o regimento para o presidente do Senado alterar o rito do impeachment de ministro do Supremo”, disse Lira a jornalistas nessa quarta (15/9).

“Acho que tanto o rito do presidente do Senado quanto da Câmara são de instituições que representam o poder autônomo, representativo, que se a maioria do plenário quiser, a qualquer momento alterar, altera. Não acredito que seja esse o sentimento das duas Casas”, prosseguiu o deputado.