Planalto vê ação judicial orquestrada em prisão de Henrique Alves

Segundo auxiliares do presidente Michel Temer (PMDB), a ação contra um ex-integrante do governo é mais um fator de desgaste

A prisão do ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), na terça-feira (6/6), foi mal-recebida no Palácio do Planalto. O governo analisa a operação como “parte do roteiro” de uma ação judicial orquestrada por setores da Polícia Federal, da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo auxiliares do presidente Michel Temer (PMDB), a prisão de um ex-integrante do governo — Alves foi ministro do peemedebista e da petista cassada Dilma Rousseff — é mais um fator de desgaste.

Interlocutores de Temer, logo após a Operação Manus ser deflagrada em Natal, reconheceram que a prisão de um aliado próximo do presidente gera efeitos negativos por ter ocorrido no mesmo dia da retomada do julgamento da chapa Dilma/Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

De acordo com um auxiliar de Temer, mesmo que a operação não tenha como objetivo atingir e ampliar esse desgaste “é o que fica parecendo”.

A Operação Manus também decretou a prisão do deputado cassado e ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), outro ex-aliado do presidente Temer, que já está preso em Curitiba. Alves, que também já foi presidente da Câmara dos Deputados, deixou a gestão Temer ao ser envolvido na Operação Lava Jato e na ocasião disse que saía para “não causar constrangimento” ao governo.

Excessos
Na terça, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao comentar a prisão de Alves, disse que há no Brasil excesso de prisões preventivas. “(A prisão é) triste. Acho que o Brasil tem vivido um momento difícil. Acho que tem tido excesso de prisões preventivas”, disse Maia.