PA: “Pergunta para as vítimas o que acham”, diz Bolsonaro sobre mortes

Presidente não havia se manifestado sobre a rebelião que deixou 57 detentos mortos em presídio de Altamira

Ao ser instigado por jornalistas a comentar o massacre em presídio no Pará, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que era melhor perguntar primeiro para as vítimas mortas o que elas achavam. O chefe do Executivo falou com a imprensa ao deixar o Palácio da Alvorada, nesta terça-feira (30/07/2019).

“Sobre o Pará, pergunta lá para as vítimas que morreram o que eles acham. Depois que eles responderem, eu respondo a vocês”, rebateu. Esta é a primeira vez que o presidente comenta a respeito do massacre no presídio em Altamira, no nordeste do estado, que deixou 57 mortos, 16 deles decapitados e 41 por asfixia.

A rebelião teve início por volta das 7h dessa segunda (29/07/2019), a partir de uma briga entre as facções rivais Comando Classe A (CCA) e Comando Vermelho (CV). Dois agentes penitenciários foram feitos reféns, mas liberados após negociação.

Esta é considerada a maior chacina dentro de um presídio brasileiro neste ano. Relatório do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) já havia apontado condições precárias e superlotação do presídio de Altamira.

Na manhã desta terça-feira, o mandatário da República se reuniu com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), no Alvorada. Entre os assuntos comentados estava a reforma da Previdência. Bolsonaro, no entanto, não detalhou quais seriam as pautas prioritárias para o governo no segundo semestre de trabalho da Casa.