MPRJ segue STF e investigação sobre Carlos Bolsonaro vai para 1ª instância

A Corte decidiu pela ausência de foro especial para vereadores fluminenses. O filho de Bolsonaro é investigado por funcionários “fantasmas”

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) anunciou na noite dessa terça-feira (30/06) que seguirá uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a ausência de foro especial para vereadores fluminenses. Com a iniciativa, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) será afetado e terá uma investigação sobre funcionários fantasmas em seu gabinete rebaixada à 1ª instância.

O vereador carioca é investigado pelo MPRJ desde o ano passado por suspeitas de que empregava servidores que não cumpriam suas funções. Segundo uma denúncia feita pela Revista Época, Carlos empregou sete parentes de Ana Cristina Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro, sendo que dois deles admitiram que nunca trabalharam.

O STF julgou o foro especial para vereadores do Rio de Janeiro no último dia 19 de junho. Por unanimidade, a 1ª Turma da Corte decidiu que a prerrogativa era inconstitucional, apesar de ser estabelecida pela constituição fluminense aos parlamentares municipais do estado.

Junto com a investigação de Carlos Bolsonaro, mais 20 ações penais envolvendo vereadores irão imediatamente para a primeira instância.

O foro especial que Carlos Bolsonaro tinha é o mesmo que buscava o seu irmão Flávio Bolsonaro na investigação sobre “rachadinhas” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

1/6
Carlos Bolsonaro alerta para "panelaço" durante discurso de seu pai na ONU
Carlos Bolsonaro alerta para "panelaço" durante discurso de seu pai na ONU
Carlos Bolsonaro alerta para "panelaço" durante discurso de seu pai na ONU
Reprodução / Instagram
Ele é investigado no no inquérito 4828 do Supremo Tribunal Federal (STF) contra atos antidemocráticos
Carlos Bolsonaro alerta para "panelaço" durante discurso de seu pai na ONU