Malafaia critica Bolsonaro por deixar Magno Malta fora do ministério

O pastor afirmou que o senador capixaba não foi reeleito porque fez campanha para o futuro presidente

Reprodução/YouTube

atualizado 28/11/2018 23:32

A escolha do deputado Osmar Terra (MDB-RS) para o Ministério da Cidadania, nesta quarta-feira (28/11), desagradou o pastor Silas Malafaia, que esperava emplacar o senador Magno Malta (PR-ES) no cargo. Aliado do presidente eleito, Jair Bolsonaro, e maior defensor do senador junto ao gabinete de transição, Malafaia criticou a escolha de Terra e cobrou o presidente eleito ao responsabilizá-lo pela derrota do senador capixaba nas eleições. São informações de O Globo.

“A única pessoa que pode responder porque o Magno não foi confirmado é o próprio presidente. Para mim, Bolsonaro disse três vezes que estava pensando em colocar o Magno no Ministério da Cidadania. Apoio integralmente o Bolsonaro, mas não vou concordar 100% com as ações dele. A unanimidade é burra”, disse Malafaia.

Ainda na pré-campanha, Magno Malta era tratado como “vice dos sonhos” por Bolsonaro. Candidato por um partido nanico, sem tempo de TV e sem apoio de partidos, o agora presidente eleito era considerado um investimento de risco.

Malta não apenas recusou compor a chapa de Bolsonaro como divulgou sua decisão a evangélicos antes mesmo de avisar o presidente eleito. Abertas as urnas, Bolsonaro saiu eleito e Malta, derrotado. Segundo aliados do presidente eleito, o senador passou então a cobrar ostensivamente um lugar na equipe, como se tivesse alguma fatura a ser cobrada de Bolsonaro.

O comportamento do senador capixaba, que, em entrevista ao Globo, chegou a se autoproclamar ministro – “Vou ser ministro, sim”, disse na ocasião -, acabou por distanciá-lo do presidente. Ao avaliar o purgatório de Malta na transição, Malafaia criticou o fato de o presidente eleito cogitar nomear a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS), que foi vice de Geraldo Alckmin (PSDB) na campanha, para um posto no Palácio do Planalto enquanto aliado é preterido.

“Não faço parte do núcleo político de Bolsonaro. Não sei como algumas coisas funcionam. Mas não concordo que Ana Amélia, vice de Alckmin, que sempre criticou Bolsonaro, que só declarou apoio no segundo turno, tenha espaço. Malta não. Perdeu a eleição porque fez campanha para Bolsonaro”, criticou Malafaia.

Últimas notícias