Campanha de Bolsonaro teve R$ 420 mil não declarados à Justiça

Diretórios do PSL em cinco estados bancaram gastos com materiais, parte com verba pública

atualizado 26/11/2019 10:37

Rafaela Felicciano/Metrópoles

A campanha de Jair Bolsonaro (sem partido) em 2018 teve 10,8 milhões de santinhos, adesivos, panfletos e outros materiais não declarados à Justiça Eleitoral, que somam R$ 420 mil. Esse valor equivale a 17% do total (R$ 2,46 milhões), de acordo com o jornal Folha de S. Paulo

A análise de notas fiscais mostra que a campanha de Bolsonaro foi financiada em parte por dinheiro público. O atual presidente, contudo, sempre negou.

O valor não declarado pode ser maior. Segundo a reportagem, os diretórios estaduais do PSL entregaram as notas fiscais à Justiça. Entretanto, não vincularam o gasto diretamente à campanha de Bolsonaro.

O material deveria estar registrado na prestação de contas do presidente como doação recebida do PSL estadual. A exigência está determinada em resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Diretórios que produziram material eleitoral para Bolsonaro sem vincular os gastos diretamente a ele foram: 

  • Minas Gerais (comandado pelo atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio);
  • Paraná;
  • Amazonas;
  • Rio de Janeiro;
  • Rio Grande do Norte.

Reduto eleitoral da família Bolsonaro, o PSL do Rio de Janeiro foi o que teve a maior fatia. Foram R$ 356 mil não declarados. 

Especialistas afirmam que a ausência de declaração dos valores recebidos representa “irregularidade grave”. Apesar de a campanha ter sido analisada pelo TSE, pode ser aberta uma eventual investigação em pontos específicos.  

Outro lado
Procurados, o Palácio do Planalto e os cinco diretórios estaduais não responderam aos questionamentos da reportagem.

Últimas notícias