Bolsonaro sobre reabrir igrejas: “Vou ver se resolvo hoje essa parada aí”

Declaração do presidente foi em resposta a uma apoiadora que pediu o enquadramento de templos religiosos em serviços essenciais

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sinalizou que pretende decretar, ainda nesta segunda-feira (25/5), que igrejas e templos religiosos estão enquadrados como serviços essenciais. O mandatário do país recebeu o pedido de uma apoiadora na saída do Palácio da Alvorada. Bolsonaro já havia determinado reabertura de igrejas, mas a decisão foi cassada pela Justiça Federal.

“Vou ver se resolvo hoje [segunda-feira] essa parada aí”, respondeu ao ser abordado pela mulher. Da última vez que decidiu ampliar o leque de serviços essenciais, o titular do Planalto incluiu salões de beleza, barbearia e academias no rol. O decreto leva apenas a assinatura de Bolsonaro e do ministro da Casa Civil, Braga Netto.

O ex-ministro da saúde Nelson Teich foi pego de surpresa pela mudança. Questionado sobre a ausência de sua assinatura no texto durante uma coletiva de imprensa, Teich não sabia do que se tratava e limitou-se a dizer que a decisão cabia ao presidente.

1/8
Bolsonaro faz oração na Catedral de Brasília
Presidente saiu no fim de semana e lanchou no comércio de rua de Brasília
Seguno o presidente Jair Bolsonaro, cargos para o Centrão são do terceiro escalão
Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia em reunião com governadores
Bolsonaro cumprimenta apoiadores
Presidente Bolsoraro deixou o Alvorada de helicóptero
Bolsonaro participa de ato em apoio ao governo em frente ao Palácio do Planalto
Bolsonaro carrega no colo criança vestida de militar

Os posicionamentos de Bolsonaro sobre o retorno das atividades têm gerado atrito com governadores. No último decreto, o presidente reclamou de chefes dos Executivos estaduais que não aderiram à norma e pediu para que eles acionassem a Justiça caso não concordassem com o decreto.

O Supremo Tribunal Federal (STF) já decidiu que a adoção de medidas de isolamento em âmbito local cabem a prefeitos e governadores.