Bolsonaro sobre depoimento presencial à PF: “Não se pede nenhum privilégio”

Após receber intimação da Polícia Federal, presidente recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra decisão

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, na manhã desta quinta-feira (17/9), que não quer nenhum privilégio ao explicar por que recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra depoimento presencial no inquérito que apura interferências políticas na Polícia Federal (PF).

“Não se pede nenhum privilégio, mas, sim, tratamento rigorosamente simétrico àquele adotado para os mesmos atos em circunstâncias absolutamente idênticas em precedentes recentes do próprio STF”, escreveu Bolsonaro em rede social.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Polícia Federal intimou o presidente nessa quarta-feira (16/9) para depor. A notificação foi feita por e-mail para a Advocacia-Geral da União (AGU).

1/7
O presidente Jair Bolsonaro, após caminhar até o STF, diz que irá vetar reajuste a servidores durante pandemia de coronavírus
Bolsonaro concede entrevista coletiva
O presidente apresenta ações para conter crise
O presidente caminha até o STF
Presidente Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro ao lado de Paulo Guedes e empresários
Bolsonaro com o ministro Paulo Guedes, da Economia

Na intimação, a PF deu a Bolsonaro a possibilidade de escolher entre os dias 21, 22 ou 23 de setembro, às 14h, para prestar o depoimento e avisou que ele tem o direito de permanecer em silêncio. Também tem o direito de não comparecer, o que será interpretado como a opção de ficar em silêncio.

ministro Celso de Mello, do STF, havia determinado que o depoimento de Bolsonaro fosse prestado pessoalmente, sem o direito de depor por escrito.

Nessa quarta-feira, a AGU entrou com um recurso no STF contra a decisão do ministro Celso de Mello.