*
 

Assim como fez durante todo o sábado (31/3), Michel Temer (MDB) passou o dia de Páscoa no Palácio do Jaburu recebendo aliados para definir os últimos nomes que vão compor a nova equipe do primeiro escalão. O presidente confirmou que Dyogo Oliveira, atual ministro do Planejamento, assumirá o comando do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Em seu lugar, entrará o secretário executivo da pasta, Esteves Pedro Colnago Junior.

As informações foram divulgadas no fim da tarde deste domingo (1º/4), por meio de nota à imprensa, enquanto a reunião sobre a reforma ministerial ainda acontecia. Segundo a Agência Estado, o encontro contou com a participação dos ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, além do líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR).

Cerca de 10 ministérios devem mudar de comando com a desincompatibilização de seus titulares, que pretendem disputar as próximas eleições. O prazo termina na sexta-feira (7/3).

A preocupação do chefe do Executivo nacional não é apenas a continuidade do governo. Temer quer aproveitar o momento para mostrar poder de reação, além de passar a ideia de que não foi afetado pelas recentes prisões. Dois amigos próximos do emedebista, José Yunes e o coronel Lima, foram detidos e levados à carceragem da Polícia Federal a fim de prestarem esclarecimentos, no âmbito da Operação Skala. Ambos são suspeitos de intermediar propina para o presidente da República em troca da chancela de decreto que beneficia empresas do setor portuário.

A composição final da equipe econômica será estabelecida com o aval do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e do senador tucano Romero Jucá.

Além das trocas no Planejamento e no BNDES, já está definido que Gilberto Occhi, presidente da Caixa Econômica Federal, vai assumir o comando do Ministério da Saúde. Valter Casimiro Silveira foi confirmado como ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, e o atual vice-presidente de Habitação da Caixa, Nelson Antônio de Souza, responderá pelo banco.

Occhi e Silveira serão empossados durante cerimônia marcada para esta segunda (2), às 10h30, no Palácio do Planalto.

Ainda devem deixar o governo os líderes das pastas do Turismo, Marx Beltrão, e da Educação, Mendonça Filho. Também há expectativa sobre a saída dos ministros do Desenvolvimento Social, Osmar Terra; de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho; da Integração Nacional, Helder Barbalho; e do Esporte, Leonardo Picciani.

 

 

 

COMENTE

Michel Temerministériosoperação skaladesincompatibilização
comunicar erro à redação

Leia mais: Política