*
 

O presidente Michel Temer almoçou neste sábado (15/7), no Palácio do Jaburu, com o deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), autor do parecer favorável ao peemedebista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Também participaram do encontro os ministros Antonio Imbassahy, do PSDB, e Mendonça Filho, do DEM.

Para o deputado tucano, a tendência agora é que o movimento que pede a saída do partido da base do governo arrefeça. “Eu tenho uma expectativa sincera de que alguns membros do partido possam refletir melhor e trabalhar pela estabilidade do País, mantendo o apoio ao governo”, disse.

Segundo Abi-Ackel, o almoço teve um ar “familiar” e a conversa girou em torno da retomada da agenda das reformas no Congresso, entre elas a da Previdência e a tributária. Mendonça, que também esteve no Jaburu, disse que Temer está “tranquilo” e “confiante” de que terá os votos necessários para derrubar a denúncia no plenário da Câmara.

Assim como outros integrantes da base, o ministro afirmou que cabe à oposição dar o quórum de 342 deputados para que a denúncia seja votada no dia 2 de agosto, como ficou estabelecido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Votação na CCJ
Abi-Ackel foi escolhido relator do processo depois da rejeição do parecer do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que recomendava a continuidade da denúncia contra Temer. O deputado do PSDB foi autor de um voto em separado apresentado à CCJ, no qual recomendava a rejeição da denúncia.

Dos sete deputados do PSDB que votaram na comissão, apenas Abi-Ackel e Elizeu Dionizio (MS) votaram contra o recebimento da denúncia.

 

 

COMENTE

Michel Temermendonça filhoantônio imbassahyPaulo Abi-Ackel
comunicar erro à redação

Leia mais: Política