Categorias: Política

Sem acordo, CPI do BNDES caminha para a “terceira pizza”

Sem acordo, a Comissão Parlamentar de Inquérito do BNDES caminha para terminar em “pizza”, ou seja, sem resultados. Nesta segunda-feira (21/10/2019), pela quarta sessão seguida, os deputados derrubaram a votação do relatório final que pede o indiciamento de cerca de 70 pessoas entre elas políticos, empresários e diretores do banco. O prazo final de discussão se encerra nesta terça (22/10/2019), e não há perspectiva de acordo para levar o texto à votação.

“Estamos assistindo um processo muito claro para não se ter relatório”, afirmou o presidente da CPI do BNDES, Vanderlei Macris (PSDB-SP).

De acordo com o presidente da CPI, a única saída para o texto ser votado é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aceitar um pedido para prorrogação dos trabalhos. “Está na mãos do Rodrigo Maia a decisão de entregarmos ou não uma relatório ao povo brasileiro. Peço a prorrogação dos trabalhos da CPI para podermos dar uma satisfação ao país”, afirmou Macris.

O presidente da Câmara afirmou que ainda não tomou uma decisão se aceita ou não o pedido. “Ele tem até amanhã para votar. Ele precisa mobilizar os membros (da CPI)”, afirmou Maia, que decidirá só na tarde da terça-feira sobre a prorrogação.

Desde a semana passada, o relator da CPI, Altineu Côrtes (PL-RJ), tenta costurar um acordo com o PT para que, ao menos, os empresários e empresas envolvidas no núcleo econômico, entre eles os executivos da Odebrecht e da JBS, tenham seus indiciamentos sugeridos. Segundo o relator, sem o assentimento da demanda de deputados petistas, a comissão pode terminar em “pizza”, ou seja, sem resultados.

“Essa é a terceira CPI do BNDES, e se não tivermos um relatório aprovado teremos uma imensa pizza. A terceira pizza do BNDES”, afirmou o relator Altineu Côrtes.

Na semana passada, o relator retirou de seu parecer a recomendação de indiciamento dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff por crimes de formação de quadrilha e corrupção passiva no âmbito do banco público. Côrtes retirou ainda os nomes de outras nove pessoas que ocuparam cargos no BNDES.

As alterações ocorreram em meio à articulação do PT junto a partidos do Centrão pela mudança, e sob ameaças de rejeição integral ao relatório de Côrtes na comissão. O PT manteve a obstrução ao relatório caso o documento mantivesse o nome de outros integrantes dos governos petistas como os ex-ministros Fernando Pimentel, Antônio Patriota, Pepe Vargas e Miriam Belchior.

O movimento, liderado pelo deputado Pedro Uczai (PT-SC), conseguiu adiar o início da discussão por mais de três horas. O movimento incomodou deputados da chamada bancada “lavajatista”, favoráveis à investigação. “Não podemos fazer dessa comissão um palco de condenação sumária, sem ampla defesa”, afirmou o petista.

“É um absurdo votar este relatório sem os nomes dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff”, rebateu o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP).

Instalada em março, a CPI tem como finalidade de “investigar a prática de atos ilícitos e irregulares no âmbito do BNDES ocorridos entre 2003 e 2015 e relacionados à internacionalização de empresas brasileiras”. O relatório de Côrtes aponta irregularidades em transações do banco com os grupos Odebrecht e J&F, controladora da JBS.

De acordo com o texto, o núcleo político – formado por Lula, Dilma e outros membros do governo – pressionou as instâncias de controle internos do Executivo para afrouxar restrições a empréstimos a países e empresas aliadas. Do banco, o relator sugere o indiciamento de diretores e do ex-presidente Luciano Coutinho. Entre executivos, citou nomes de Odebrecht, Braskem, JBS e Bertin já envolvidos em outras investigações, como Emílio e Marcelo Odebrecht e Joesley e Wesley Batista.

Defesas
Em nota, Coutinho disse que as conclusões do relatório são infundadas e que reafirma “a certeza sobre a correção dos trabalhos técnicos e decisões colegiadas do BNDES”. A defesa de Lula diz que ele não cometeu ilícito em sua passagem pela Presidência e que as “acusações de adversários do PT na CPI do BNDES não têm qualquer fundamentação e são de natureza política”.

Estadão Conteúdo

Últimas notícias

PF apura fraude no Incra da Paraíba que movimentou R$ 9 milhões

A Justiça determinou o bloqueio de mais de R$ 148 mil das contas dos investigados

1 minuto passados

Governo usa pacote de emprego para mudar regras trabalhistas

Entre medidas incluídas em programa, está o fim de multa adicional de 10% do FGTS e permissão para convocar trabalhadores…

29 minutos passados

Casal comove ao acolher dezenas de coalas feridos em incêndios

Governo australiano estima que cerca de 350 coalas morreram em incêndios devastadores que atingiram Nova Gales do Sul

30 minutos passados

DF: homem fica em estado grave após ser atropelado por ônibus

Lucinei da Silva Farias Ornelas, 31 anos, foi levado ao Hospital de Base após ser atropelado na Rodoviária do Plano…

52 minutos passados

Peru Week: 7ª edição terá dois restaurantes brasilienses

Festival que celebra gastronomia e cultura peruanas oferece menus especiais em três etapas no mês de novembro

2 horas passados

Saiba por que você deveria abolir o uso de absorvente no verão

Temporada exige atenção redobrada com os cuidados de higiene pessoal

2 horas passados