Com a proposta de corrigir o salário mínimo apenas pela inflação em 2020, o líder do PSL no Senado, Major Olímpio, disse que “o governo vai tomar um cacete e pedir desculpas, senão trava de vez a Previdência”. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Olímpio se disse preocupado, politicamente, com a decisão do governo que, na prática, não representa um ganho real para os trabalhadores.

“Ao valor do salário mínimo, muitos custos estão atrelados, então, o governo está indo no limite do que entende possível. Mas a questão será muito polêmica, sem a certeza de que mesmo hoje o governo consiga maioria”, afirmou ao jornal.

O parlamentar avalia que se o bloco de partidos do Centrão se unir aos opositores à gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL), “o governo vai tomar em cacete” e ficará difícil aprovar projetos importantes para a equipe que está no comando, como a reforma da Previdência.

De acordo com ele, o governo tem apenas como aliado o próprio partido do presidente, o PSL, o qual ele chamou de “Geni”, em referência à música de Chico Buarque.

A medida proposta pelo governo sobre o salário mínimo é polêmica e, após chegar ao Congresso para análise, alguns parlamentares já cogitam a possibilidade de alterar o texto.

O novo valor para o salário mínimo consta na Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO), divulgada na última segunda-feira (15/04/19). Atualmente, a renda mínima oferecida aos brasileiros é de R$ 998.

Segundo o secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, o parâmetro para o salário mínimo leva em conta, apenas, o reajuste pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), sem ganho real. Ele garante, porém, que o valor é apenas um parâmetro considerado pelo governo no PLDO e não reflete o reajuste que será aplicado de fato.