Categorias: Política

PSL evidencia racha interno em evento pela prisão em 2ª instância

Em um protesto menor do que os últimos realizados de domingos na avenida Paulista, movimentos como Vem pra Rua e Nas Ruas protestaram neste domingo (08/12/2019) em apoio à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que possibilita a prisão em segunda instância.

Como nos eventos anteriores, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi exaltado pelos líderes do ato, enquanto o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DRM-AP), foram hostilizados.

Dos movimentos que levaram carros de som para a avenida Paulista, apenas o Nas Ruas, fundado pela deputada federal Carla Zambelli (SP), defendeu o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O racha no PSL, aliás, dominou os discursos do movimento Nas Ruas, que é a última trincheira do bolsonarismo entre as organizações pró-impeachment de Dilma. O Movimento Brasil Livre (MBL) não participou da manifestação.

Peppa Pig
Os discursos dos líderes do Nas Ruas priorizaram ataques à deputada Joice Hasselmann (SP), que rompeu com a ala bolsonarista do partido e entrou em rota de colisão com Zambelli. A ex-líder do governo no Congresso foi chamada de “Peppa Pig” nas falas e palavras de ordem em uma referência à personagem do desenho animado.

“Esqueçam essa mulher. Joguem ela no ostracismo. Deixem de segui-la nas redes sociais e não comentem os posts dela. O gabinete dela na Câmara foi um dia do Lula, e o meu do Bolsonaro Chupa”, disse Zambelli em seu discurso.

O Nas Ruas levou para o ato um boneco inflável de Sergio Moro e outro de Gilmar Mendes com a estrela do PT no peito ao lado do ex-presidente Lula. “A Joice só defende ela mesma. Ela não é Brasil ou São Paulo. A Joice é a Joice”, disse Carla Zambelli à reportagem.

Senador quer Bolsonaro de volta
Nos atos em defesa do impeachment de Dilma, Joice discursou ao lado de Zambelli na Avenida Paulista. Presente ao ato deste domingo, o senador Major Olímpio (SP) passou pelo carro de som do Nas Ruas, mas não criticou Joice, de quem hoje é aliado. Mas se colocou contra a formação de um novo partido.

“Causa dificuldade para Bolsonaro essa situação dele deixar um partido que era 100% dele. O presidente foi para uma aventura. Essa Aliança não sai até abril e depois vai ser um Titanic. Tomara Deus que o presidente reflita e volte para o PSL. Isso ainda vai acontecer”, disse o senador.

Classificado como “social democrata” por Zambelli, foi o Vem Pra Rua quem mais mobilizou manifestantes na avenida Paulista. Enquanto o Nas Ruas reuniu algumas dezenas de pessoas em frente ao Masp, o movimento liderado por Rogério Chequer aglutinou algumas centenas de pessoas em frente à sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

“Maia e Alcolumbre estão impedindo a votação do projeto que muda o artigo 166 do Código de Processo Civil. Estão usando a PEC como cortina de fumaça. Em um ano ela pode ser desconfigurada”, disse Chequer. O Vem Pra Rua puxou vaias a Alcolumbre e Maia.

Estadão Conteúdo

Últimas notícias

Conheça Sansão, o pitbull sorridente que está conquistando a web

O cãozinho tem um canal no Youtube, onde sua tutora desmistifica as ideias erradas sobre a raça e conta os…

37 minutos passados

Superstar da Adidas faz 50 anos. Confira 50 looks inspiração

Para celebrar a data, a coluna elencou principais combinações com o tênis versátil que transita com facilidade em qualquer ocasião

35 minutos passados

Funn Summer: Beach Club é o novo point no verão dos brasilienses

O Metrópoles foi conferir pessoalmente o que rola na balada que tem feito o maior sucesso

35 minutos passados

O Filme do Bruno Aleixo: sensação da internet estreia nos cinemas

O longa mostra o processo de criação de outro filme, cujo protagonista está fazendo com seus amigos

35 minutos passados

É preciso reformar o sistema penitenciário e as polícias

Prisões são a principal base de recrutamento de organizações criminosas. Corporações policiais necessitam de nova doutrina

35 minutos passados