Categorias: Política

Previdência: destaques da PEC serão votados nesta terça no Senado

Após ter sido adiada duas vezes por falta de quórum, a votação em primeiro turno no plenário do Senado Federal dos destaques à proposta de emenda à Constituição (PEC) paralela à reforma da Previdência será nesta terça-feira (19/11/2019). O texto altera, inclusive, regras na aposentadoria definidas, inicialmente, com o primeiro projeto aprovado e já promulgado pelo Congresso Nacional.

Por se tratar de uma PEC, a matéria tem que ser votada em duas etapas. O segundo turno, contudo, ainda não tem data certa definida, mas pode ser apreciado ainda nesta terça. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), explicou que há o entendimento para ser analisado nesta noite, desde que ao menos 65 senadores dos 81 na sessão.

“Estávamos conversando com senadores e, na semana passada, Paulo Paim (PT-RS) fez um apelo para que retirássemos os destaque e atendemos [ao pedido]. Pedimos então para votar hoje em segundo turno. Estava confabulando com líderes para tentar cumprir o calendário. Se tiver 65 senadores da para colocar em votação [o segundo turno]”, afirmou Alcolumbre na entrada do plenário.

O texto-base da PEC paralela 133/19, do relator Tasso Jereissati (PSDB-CE), foi aprovado no último dia 6 pelo plenário, por 56 votos a favor e 11 contra. Mas, por falta de mobilização entre as bancadas, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), optou por suspender a apreciação das emendas e remarcar o dia de votação.

Faltam ser analisados quatro destaques ao projeto: a emenda 35, do PT, que prevê que o benefício, no caso de aposentadoria por incapacidade permanente, será de 100% da média aritmética das contribuições. Há ainda a emenda 123, do Pros, que prevê idade mínima para fins de aposentadoria especial decorrente de efetiva exposição a agentes nocivos à saúde.

Já o destaque 49, da Rede, altera as regras de cálculo da aposentadoria. Por último, a emenda 146, do PSDB, garante o abono de permanência a servidores públicos já com direito adquirido. Ou seja, que já cumprem as regras necessárias para conseguir a aposentadoria e deixa de contribuir para a Previdência.

Veja os principais pontos do texto-base já aprovado:

Estados e municípios
A matéria prevê a inclusão dos servidores estaduais e municipais nas novas normas para a concessão de aposentadoria, além da possibilidade de o dispositivo ser revogado pelos entes federativos. Esse é o principal ponto da proposta, uma vez que, em 10 anos, economizaria aos cofres públicos cerca de R$ 350 bilhões.

Os estados que decidirem aderir à reforma da União deverão fazê-lo por meio de uma lei ordinária e, automaticamente, isso abrangeria também os municípios. Se as unidades federativas decidirem, contudo, revogar a adesão, isso também tem de ser feito por meio de uma nova lei. Assim como os municípios, que podem escolher deixar o regime, desde que seja aprovada uma lei municipal.

Ambas as situações não podem ocorrer apenas quando faltarem ao menos seis meses para o fim de mandato do governador ou prefeito.

Integrantes da segurança pública
O relator acatou uma emenda do líder do PSL no Senado, Major Olimpio (SP), que beneficia profissionais da área de segurança pública, como os peritos criminais, guardas municipais, oficiais e agentes de inteligência da atividade fim da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). O grupo terá regras diferenciadas de aposentadoria, previstas em um projeto de lei complementar. A alteração foi aprovada pela equipe econômica do governo.

Segundo o texto, a União terá competência para tratar de normas gerais sobre a inatividade e a pensão dos militares dos estados e do Distrito Federal. Além disso, as mudanças na aposentadoria dos militares estaduais serão baseadas em duas práticas que, atualmente, são adotadas para integrantes das Forças Armadas: a possibilidade de aproveitamento de militares da reserva em atividades civis e de contratação de temporários.

Pensão por morte
Assim como ocorreu na PEC principal da reforma da Previdência, aprovada pelo Congresso Nacional há 16 dias, o relatório assegura a pensão por morte, sempre, de um salário mínimo, para o estado ou município que adotar as regras da reforma. “É oportuno fazer esta previsão, porque há entes em que a remuneração média do servidor é baixa, em marcado contraste com o que ocorre na União”, justificou Jereissati.

Entidades filantrópicas e agroexportações
Apesar de defender a obrigatoriedade da contribuição previdenciária de algumas entidades filantrópicas, o relator retirou o dispositivo do texto e afirmou que a iniciativa será apreciada pela Casa por meio de um projeto de lei complementar que deverá ser apresentado pelo próprio Jereissati.

Apesar da pressão da bancada ruralista, Jereissati manteve a volta da cobrança sobre exportações agrícolas, também isentas atualmente. A medida renderia, de acordo com o relator, R$ 60 bilhões em uma década.

Benefício para homens
Além disso, outro dispositivo pode ser alterado na PEC principal, que ainda não foi nem promulgada: o tempo de contribuição de 15 anos para homens que ingressarem no mercado de trabalho. Seria o mesmo período para aqueles que são segurados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O texto aprovado na Câmara dos Deputados elevou para 20 anos o período de contribuição para os novatos e idade mínima de 65 anos. Agora, o tempo foi reduzido em cinco anos.

Flexibilização para elas
Jereissati alterou ainda no parecer da PEC paralela as regras de aposentadoria por idade das mulheres. Pela reforma aprovada, a idade seria de 60 anos (mais 15 de tempo de contribuição) e subiria, gradualmente, seis meses a cada ano, até que fossem completados 62 anos. No entanto, neste relatório que será votado, aumentaria a cada dois anos. Ou seja, dobraria o prazo da transição.

Gabriela Vinhal

Formada em jornalismo pela Universidade Católica de Brasília (UCB) em 2013. Trabalhou no Jornal de Brasília e no Correio Braziliense, onde publicou reportagens sobre direitos humanos, nas editorias de Esporte, Política e Brasil para o impresso. Cobriu as eleições de 2018 e a posse presidencial. Repórter do Metrópoles desde maio de 2019.

Últimas notícias

Agora você pode achar Geisy Arruda no Tinder: “Tem gente bonita”

A beldade decidiu instalar o aplicativo de paquera e já tem disparado "match" em Portugal

31 minutos passados

Bebê sai com madrasta e aparece com roxos e queimadura, diz mãe

A criança estava sob os cuidados da avó paterna quando foi levada pela mulher a uma festa de aniversário

31 minutos passados

DF: candidatos aprovados além das vagas poderão ser aproveitados

Projeto de Lei foi aprovado por deputados distritais e segue para sanção do governador. Medida pode beneficiar aprovados no concurso…

40 minutos passados

Inocente, homem fica preso por quase três anos no lugar do irmão

Eudes, que deveria estar detido, cumpria pena no regime semiaberto e, ao sair, não retornou à prisão

45 minutos passados

IRPJ: Receita abre período para empresas quitarem divergências

Órgão estimou um valor discrepante de R$ 1,6 bilhão. Contribuintes têm até 31 de janeiro para resolver a situação

57 minutos passados

Éramos Seis: Adelaide leva Alfredo para dormir na casa da mãe

Higino se arrisca e acoberta o casal para que Emília não saiba de nada

58 minutos passados