Presidente da Funai é acusado de dar soco no rosto do pai idoso

Agressão ao homem de 71 anos teria ocorrido durante discussão em encontro familiar. Xavier também teria brigado com a madrasta, de 60 anos

Mário Vilela/FunaiMário Vilela/Funai

atualizado 08/08/2019 8:05

O novo presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Marcelo Augusto Xavier da Silva, é investigado por agressão e ameaça ao próprio pai, de 71 anos. Segundo Boletim de Ocorrência (BO) feito em janeiro deste ano, Marcelo teria dado um soco no rosto do idoso. Quem investiga o caso é a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul.

Além do pai, Marcelo também teria brigado com a madrasta, de 60 anos, na mesma circunstância. O BO informa que a discussão ocorreu durante encontro de amigos em Cachoeira da Fumaça, a 220 km de Cuiabá, no Mato Grosso.  “Sem motivo aparente seu filho / suspeito, Marcelo Augusto Xavier da Silva, começou uma discussão com o mesmo [o pai] e proferiu ameaças e xingamentos do tipo ‘Cuidado quando o senhor vier para a fazenda, enfia a fazenda no c*, põe seu dinheiro no c*'”, conta, no documento.

“Em seguida, o suspeito (Marcelo) desferiu um soco contra a vítima (Milton) vindo a pegar de raspão no seu rosto”, continuou, o texto. Se comprovado os fatos, Marcelo responderá pelo crime de lesão corporal e ameaça.

A assessoria de imprensa da Funai informou, por meio de nota, que Xavier não vai comentar o caso e que a acusação teria sido arquivada pela Justiça “por falta de provas”. Porém, segundo a Polícia Civil de Mato Grosso, o fato está sendo apurado na delegacia de Novo São Joaquim. Os responsáveis pela investigação aguardam o depoimento de oito testemunhas, via carta precatória.

Marcelo já foi rejeitado em avaliação psicológica em um dos concursos que prestou para a Polícia Federal, de acordo com a BBC News Brasil. No resultado dos processos seletivos, os examinadores afirmaram que a personalidade do atual presidente do órgão não era adequada ao cargo de policial.

Antes de se tornar chefe da Funai, ele era delegado da Polícia Federal desde 2008, após prestar dois concursos públicos da área. Quando delegado, Marcelo teve seu comportamento contestado em duas investigações internas da corporação. Além disso, ele foi afastado de uma operação que expulsou invasores de uma terra indígena, por suspeitas de ter colaborado com a ação contra o grupo de índios. 

A nomeação de Marcelo foi feita via Diário Oficial da União (DOU), no dia 19 de julho. Xavier assumiu o posto no lugar do general Franklimberg Ribeiro de Freitas, que deixou o cargo em 11 de junho, após ser alvo de forte pressão de ruralistas.

Últimas notícias