Categorias: Política

Mourão volta atrás sobre uso de militares no INSS: “É voluntário”

O vice-presidente, Hamilton Mourão (PRTB), voltou atrás e esclareceu, na noite desta quinta-feira (23/01/2020), que o governo estuda a possibilidade de abrir um programa de “voluntariado”, para que militares da reserva auxiliem na redução da fila do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Mais cedo, na tarde desta quinta, o vice-presidente afirmou que o governo estudava convocar militares da reserva ao invés de contratá-los. “O Ministério da Defesa convoca e cede”, disse na ocasião.

Em conversa com a imprensa no início da noite, porém, Mourão deu mais detalhes sobre a declaração. “Vamos lembrar o seguinte: um dos grandes argumentos que se coloca naquela questão do sistema de proteção social dos militares é que o militar não se aposenta, ele passa pra reserva”, declarou.

E acrescentou: “Abre um voluntariado. Como não é uma situação de guerra, o cara não é obrigado. Quem tiver interesse, se apresenta. Mesmo sistema utilizado nas escolas cívico-militares. [Eles] Recebem 30% a mais [além da reserva], é uma gratificação de 30% que dá em torno na faixa de R$ 2.300 ou 2.400,00”.

Questionado sobre o período que os militares da reserva prestariam serviços ao INSS, Mourão respondeu: “É o que nós chamamos de prestador de tarefa por tempo certo. Então, vai ter um limite de tempo. Não sei qual é a estimativa que o INSS tem… Vai levar seis meses, sete meses, não sei.

Segundo Mourão, haverá uma reunião nesta sexta-feira (24/01/2020), entre técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU), Ministério da Defesa e a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho para “chegar em uma conclusão do que pode ou não pode”.

Entenda
Na semana passada, o governo anunciou que chamaria 7 mil militares da reserva para ajudar a reduzir a fila do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que começou o ano com cerca de 2 mil pedidos para receber o benefício (aposentadoria e pensão).

Na manhã desta quinta, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que o decreto com as regras para convocação de militares da reserva para ajudar na análise de benefícios ainda não saiu devido a um ajuste com o Tribunal de Contas da União (TCU).

De acordo com Mourão, o TCU diz que está havendo rompimento ao “princípio da impessoalidade ao direcionar a contratação exclusivamente para o grupo militar”.

Mayara Oliveira

Jornalista formada pelo Centro Universitário Iesb. Foi redatora no Poder360 e repórter na editoria de Política da Rede Vida de Televisão. Estagiou na assessoria da Agência Espacial Brasileira e no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior nos governos de Dilma Rousseff e Michel Temer. Atualmente, atua na cobertura da Câmara dos Deputados pelo Metrópoles.

Últimas notícias

Embaixada orienta que visita de brasileiros a Milão seja evitada

Na Itália, 7 mortes pelo novo vírus foram confirmadas e há, pelo menos, 200 pessoas infectadas

8 minutos passados

Bolsonaro aposta na desordem das PMs e na manifestação do dia 15

Enquanto o presidente se cala sobre motim no Ceará, seus seguidores se mobilizam para protesto contra o Congresso e STF…

8 minutos passados

Dmitri Yazov, ex-ministro da União Soviética, morre aos 95 anos

Yazov, ministro da Defesa da URSS entre 1987 e 1991, participou na tentativa frustrada de golpe de Estado contra Gorbachov

14 minutos passados

Falhas em diagnósticos reduzem número de mortes por uso de drogas

De acordo com dados do Ministério da Saúde, Ribeirão Preto seria a que tem mais casos, mas casos são geralmente…

18 minutos passados

RXCycle lança sofá feito com peças de coleções antigas da Adidas

O móvel é resultado da segunda collab entre o designer Darren Romanelli e a loja londrina LN-CC

38 minutos passados

Antonia Fontenelle não se hidrata em desfile no RJ: “Água imunda”

A apresentadora recusou água oferecida por um funcionário da CEDAE

41 minutos passados