Maia diz que Heleno virou “auxiliar do radicalismo de Olavo”

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) já afirmou que nunca dedicou tempo ao escritor e guru da família Bolsonaro

ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

atualizado 04/11/2019 15:49

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, virou um “auxiliar do radicalismo do Olavo [de Carvalho]”. “É uma pena”, lamentou o deputado fluminense. 

Maia enquadrou o ministro do GSI como uma “cabeça ideológica”. Após o líder do PSL na Câmara, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), defender um “novo AI-5” na semana passada, Heleno disse que é preciso estudar como vai fazer.

“Acho que a frase dele [Augusto Heleno] foi grave. Além disso, ainda fez críticas ao Parlamento, como se o Parlamento fosse um problema para o Brasil. É uma cabeça ideológica”, declarou Maia, nesta segunda-feira (04/11/2019). 

O deputado fluminense afirmou ainda que o general tem um pedido de convocação na Câmara dos Deputados. “Infelizmente, o general Heleno virou um auxiliar do radicalismo do Olavo. É uma pena que um general da qualidade dele tenha caminhado nessa linha”, disse.

O general Heleno negou, em outra ocasião, ser influenciado pelo guru do bolsonarismo. “Não dedico, nunca dediquei e continuarei não dedicando meu tempo ao Olavo de Carvalho. Ele não me atinge em nada. Não vou gastar tempo com ele, meu tempo vale ouro”, disse, em julho deste ano.