*
 

Cotado como possível candidato do DEM à Presidência da República, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ), afirmou nesta quarta-feira (7/2) que a “avenida está aberta” para todos os políticos que pretendem concorrer ao Palácio do Planalto, inclusive para ele. A declaração foi dada a jornalistas após participar do encerramento de evento do banco BTG Pactual com empresários e investidores, na capital paulista

“Eu acho que a avenida está aberta para qualquer candidato, com as qualidades que o ministro Henrique Meirelles tem, com as qualidades que o governador Geraldo Alckmin tem, bônus e ônus. Eu também tenho os meus. Cada um vai trabalhar essas questões se quiser se viabilizar como candidato no futuro”, disse o parlamentar, que contou aos jornalistas que falou, aos participantes do evento, sobre as qualidades e defeitos de cada um dos possíveis candidatos.

Em outro momento, quando se referia à rejeição do eleitor a Alckmin, Maia admitiu que também tem encomendado pesquisas de intenção de voto, de olho na eleição presidencial. “O PSDB aumenta a rejeição dele, mas ele saberá trabalhar isso até a eleição porque está fazendo pesquisa, como eu”, afirmou.

Em relação a Meirelles, Maia afirmou que o ministro da Fazenda também terá como obstáculo a rejeição sofrida pelo governo federal. “O governo tem rejeição e ele é ministro do governo”, explicou. Ao final, o democrata afirmou que “qualquer brasileiro pode, através da política, mudar o Brasil”.

Previdência
O presidente da Câmara dos Deputados afirmou ainda, na noite desta quarta, que o governo continua a não ter os 308 novos necessários para a aprovação da reforma da Previdência. A contagem indica que há pouco mais de 250 parlamentares dispostos a aprovar a medida, disse ele após fazer apresentação em evento fechado do BTG Pactual.

“Hoje infelizmente ainda não temos os 308 votos”, declarou Maia, destacando que a estratégia vai ser construir a maioria na Câmara para conseguir chegar ao número necessários. “Uma votação sinalizando que vai perder, há a chance de ter 100 votos ou nem ter quórum”, afirmou ao ser perguntado se o governo vai insistir com a votação da reforma mesmo sabendo que não tem os votos necessários.

 

 

COMENTE

Câmara dos DeputadosdemRodrigo Maiaeleições 2018
comunicar erro à redação

Leia mais: Política