Líder do PSL no Senado: Previdência “corre risco” de não ser aprovada

Major Olímpio disse que, para a reforma não ser aprovada, basta que não tenha votos. Ele afirmou ainda que todo texto passa por essa margem

Jefferson Rudy/Agência SenadoJefferson Rudy/Agência Senado

atualizado 21/05/2019 14:12

O líder do PSL no Senado, Major Olímpio (PSL-SP), disse, nesta terça-feira (21/05/2019), que a reforma da Previdência corre o risco de não ser aprovada no Congresso. Segundo o senador, todo o projeto tem essa margem de risco, “é só não ter 308 votos na Câmara e 49 no Senado”.

“Mas é por isso que a população precisa ser bem orientada e acompanhar. Se não votar a Previdência, o intuito é de melhorar ou minimizar a tragédia do povo. Eu espero que haja razão e bom senso e que se encaminhe para tirarmos o país desse buraco negro”, acrescenta.

Para o senador, a declaração dada pelo presidente da Comissão Especial que trata da reforma na Câmara, Marcelo Ramos (PR-AM), de que deputados querem elaborar um texto substitutivo ao enviado pelo governo foi apenas “fumaça para ganhar dois minutos de mídia”.

“O presidente da Comissão Especial disse que agora quem tem o protagonismo seria o Legislativo. Aí pensei comigo: ‘que bom, será que temos soluções melhores que possam gerar menos impactos negativos?”. Depois, a gente viu que era só fumaça para ganhar dois minutos de mídia”, critica. Major Olímpio falou com a imprensa após sair de uma reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Na última segunda (20/05/2019), o relator da reforma, Samuel Moreira (PSDB-SP), também se encontrou com Guedes e descartou a possibilidade de fazer o parecer baseado em um eventual projeto paralelo dos congressistas. Ele garantiu que o texto do relatório teria como referência a proposta enviada pelo governo à Casa.

Últimas notícias