*
 

Líder do governo no Senado, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), disse nesta terça-feira (5/9) que a apresentação de uma nova denúncia contra o presidente Michel Temer seria uma “posição melancólica” do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

“Eu não sei qual é a denúncia que o Janot ia apresentar. Se ele tem consciência, se ele tem responsabilidade, se ele tem certeza, ele apresenta. Se ele não tem, eu espero que não seja uma posição melancólica e incorreta do Ministério Público como foi a primeira denúncia”, disse.

Segundo o senador, os fatos revelados por Janot nesta segunda-feira, 4, levantam dúvidas em relação ao acordo de delação premiada dos empresários da JBS e mostram que a primeira denúncia apresentada contra Temer se tratou de uma “armação” de Joesley Batista para conseguir perdão aos crimes cometidos e não ir para a cadeia.

Para Jucá, “há muitas coincidências que precisam ser investigadas”, especialmente em relação à atuação do advogado Marcelo Miller. O líder governista afirmou que o ex-procurador atuou, enquanto esteve no Ministério Público Federal, não somente no acordo da JBS, mas também nas delações do ex-presidente da Transpetro Sergio Machado, do ex-senador Delcídio Amaral e do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. O peemedebista é citado por todos eles e, ao todo, responde por 14 inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), a maioria deles em decorrência das investigações da Operação Lava Jato.

O senador também defendeu que o Congresso abra uma investigação independente do caso. Ele, no entanto, não deu detalhes se isso seria feito através de uma Comissão Parlamentar de Inquérito ou algum outro instrumento.

 

 

COMENTE

romero jucádelação da JBS
comunicar erro à redação

Leia mais: Política