*
 

A defesa do corretor Lúcio Bolonha Funaro entregou à Justiça Federal um bilhete com uma suposta anotação do ex-deputado Eduardo Cunha indicando uma conta no exterior para realização de pagamentos ilícitos. O documento foi entregue em mãos ao juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, durante audiência da ação penal derivada da operação Sépsis nesta segunda-feira (6/11).

A conta indicada no bilhete é do ex-vice-presidente de Fundos e Loteria da Caixa Fabio Cleto, apontado como operador de Cunha e Funaro no fundo de investimento do FGTS. Os três, o ex-deputado Henrique Meirelles e Alexandre Margotto, ligado a Funaro, são réus no processo que apura o pagamento de propina por grandes empresas para conseguir aportes milionários do FI-FGTS.

O objetivo da defesa de Funaro com a juntada do bilhete no processo é sustentar a versão dada pelo corretor em acordo de colaboração premiada na qual ele indica Cunha como líder do esquema e um dos destinatários de propina.

Durante seu interrogatório, Cunha afirmou que irá pedir à Procuradoria-geral da República um “reexame” da delação de Funaro e solicitou que seja feia uma perícia no bilhete para comprovar que a letra não é dele.

 

 

COMENTE

Eduardo CunhaFunaro
comunicar erro à redação