“Eu nunca fui pedir foro privilegiado”, diz Flávio Bolsonaro sobre STF

Senador comentou decisão do ministro Marco Aurélio, que negou suspender as investigações contra ele no Ministério Público do Rio

Michael Melo/MetrópolesMichael Melo/Metrópoles

atualizado 01/02/2019 20:40

Filho do presidente Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) comentou a decisão do ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STJ), de não suspender as investigações comandadas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro contra ele.

“A decisão do ministro foi o que nós pedimos na ação. Eu nunca fui pedir foro privilegiado, eu só queria saber onde deveria prestar esclarecimentos. Vamos cumprir a legislação. Se é para prestar esclarecimentos no Rio de Janeiro, eu vou ao Rio de Janeiro”, afirmou o parlamentar, nesta sexta-feira (1º/2), após tomar posse de seu mandato como senador da República.

Representante do Rio de Janeiro, ele havia requerido foro privilegiado para suspender as diligências sobre as movimentações atípicas em suas contas bancárias, identificadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Flávio Bolsonaro tomou posse como senador acompanhado de sua mãe e da esposa. Após o juramento na nova Casa legislativa, ele evitou comentar a situação do Coaf, ocorrida quando era deputado estadual do Rio de Janeiro. No início do ano, Flávio havia entrado com um recurso no STF, o que suspendeu a investigação sobre o relatório do Coaf.

No dia 17 de janeiro, o ministro Luiz Fux, vice-presidente do STF, determinou a suspensão das investigações. No entanto, logo após a decisão, Marco Aurélio havia indicado que poderia rejeitar o pedido, o que se confirmou nesta sexta.

Últimas notícias