*
 

Prestes a deixar o cargo no próximo dia 7 para concorrer à Presidência da República, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse nesta segunda-feira (2/4) que a debandada de políticos do seu partido faz parte do processo político. “É natural, nesse período de janela, haver mudanças, não só no PSDB.”

Quadros importantes da sigla em São Paulo, como o líder do governo na Assembleia Legislativa, Barros Munhoz, deixaram o PSDB em represália à candidatura do prefeito João Doria ao governo estadual. Doria será o nome dos tucanos para a disputa contra o vice-governador Márcio França, do PSB, novo partido de Munhoz.

Perguntado sobre a briga política entre os dois aliados – e se subiria no palanque de França mesmo com o PSDB tendo candidato próprio –, Alckmin desconversou. Limitou-se a dizer que, uma vez fora do Palácio dos Bandeirantes, vai viajar o país “pregando união nacional.”

O governador participou pela manhã da divulgação de um investimento de R$ 506,3 milhões em melhorias para as estradas de São Paulo. Na reta final do mandato, Alckmin corre contra o tempo para entregar o máximo possível de obras. Para esta semana, estão previstas inaugurações de novas estações do metrô.

 

 

COMENTE

São Paulogeraldo alckmineleições 2018
comunicar erro à redação

Leia mais: Política