*
 

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), decidiu nesta sexta-feira (9/3) revogar o decreto que garantia segurança pessoal de ex-prefeitos pela Polícia Militar por um ano após a saída do cargo. A medida causou polêmica e a gestão já havia recuado parcialmente sobre o decreto na quarta-feira (7/3).

Segundo nota da Prefeitura de São Paulo, divulgada nesta sexta, os secretários de Governo, Julio Semeghini, de Segurança Urbana, José Roberto de Oliveira, e da Justiça, Anderson Pomini, reuniram-se para reavaliar a medida.

“Os secretários, que propuseram e defendem o mérito do decreto, atenderam à solicitação do prefeito para que o texto seja revogado em razão da polêmica provocada”, informou a nota oficial. A decisão deverá ser publicada no Diário Oficial de sábado (10/3)”.

Nesta quarta, a Prefeitura informou que alteraria a validade do decreto para que ficasse restrito ao próximo prefeito eleito. Com a mudança, segundo a Prefeitura, nem Doria nem o vice-prefeito Bruno Covas seriam beneficiados.

O decreto foi publicado no sábado (3/3) e garantia até quatro policiais militares para ex-prefeitos e familiares. Com isso, Doria asseguraria a escolta mesmo durante eventual campanha para o governo paulista. Se for concorrer, ele tem de deixar a Prefeitura até 7 de abril.