*
 

Atritos envolvendo projetos e licenças ambientais e uma negociação política feita pelo prefeito João Doria (PSDB) para acomodar mais dois partidos – PR e PSB – na Prefeitura de São Paulo derrubaram o secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente, Gilberto Natalini (PV). Ele deve deixar o cargo na próxima terça-feira (22/8) e reassumir o mandato de vereador.

Um dos fatores que pesaram na saída de Natalini, o quarto secretário a deixar a gestão em oito meses, envolve o licenciamento ambiental de obras. Ele teria denunciado à Controladoria-Geral do Município (CGM) um esquema que fraudava licenças para viabilizar edificações irregulares. Doria ouviu a queixa e teria dito ao secretário que o caso será investigado pelo novo controlador, Guilherme Mendes, que assumiu nesta sexta-feira (18/8).

O prefeito estava descontente com o trabalho de Natalini, que teria dificultado o licenciamento ambiental de obras e não conseguiu contratar os serviços de zeladoria dos parques. A licitação foi suspensa em março pelo Tribunal de Contas do Município (TCM).

Outro ponto de desgaste envolveria o chamado Corredor Verde na Avenida 23 de Maio, inaugurado neste mês. O jardim vertical nos muros da avenida foi feito usando regras de um Termo de Compensação Ambiental (TCA) por cortes de árvores feito na gestão Fernando Haddad (PT), criticado por ambientalistas e contestado na Justiça por Natalini, vereador na época. Apesar da crítica, Doria disse ao secretário que vai expandir a ideia.

Arranjo
Desgastado, Natalini virou “solução” para uma minirreforma que Doria já pretendia fazer em seu secretariado para abrigar o PSB, que ficou sem cargo após a saída de Eliseu Gabriel em julho, e o PR, que apoiou Haddad na eleição. A adesão do PR ao governo Doria foi selada em almoço do prefeito com o presidente da sigla, Antonio Carlos Rodrigues, no início do mês.

A pasta que será dada ao PR, que tem quatro vereadores na Câmara, deve ser anunciada neste sábado (19/8), em almoço de Doria com os parlamentares aliados. O tucano quer aprovar ainda neste semestre o pacote de concessões e privatizações.

Procurado, Doria disse que “tem profundo respeito, admiração e amizade pessoal com Natalini”. Este, por sua vez, não quis se manifestar.

Além de Natalini e Eliseu Gabriel, ex-secretário do Trabalho, também deixaram a Prefeitura as vereadoras Soninha Francine (PPS), ex-Assistência Social, e Patrícia Bezerra (PSDB), ex-Direitos Humanos. Nesta sexta, Doria também trocou dois prefeitos regionais, na Penha e na Vila Prudente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

 

COMENTE

São Paulomeio ambientePSDBPSBJoão Doria
comunicar erro à redação

Leia mais: Política