O senador Alvaro Dias (Podemos-PR) desistiu da disputa para a presidência do Senado Federal. Ele confirmou ao Metrópoles que apoiará o candidato do DEM, David Alcolumbre (AP). A decisão de Dias foi anunciada durante a leitura da sentença do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou votação secreta para a escolha da nova Mesa Diretora do Senado.

Apesar de já ter desistido, ele fez o anúncio formal durante discurso que teria direito como candidato a presidente. “Eu não quero ser responsável pela eleição de Renan Calheiros”, cravou. O senador afirmou que nunca teve a intenção real de presidir a Casa, mas formalizou candidatura para tirar o emedebista que tenta comandar o senado pela quinta vez da zona de conforto e resgatar a imagem da Casa “do chão”. Defendeu que haja alternância de poder no comando da Câmara Alta do país.

Duas desistências
Alvaro Dias foi o segundo a sair do páreo pela presidência do Senado. Nessa sexta (1º), após tomar posse, Tasso Jereissati (PSDB-CE) também abriu mão da candidatura. José Maranhão abriu prazo de 10 minutos para os parlamentares se inscreverem para a disputa ou confirmar candidaturas já anunciadas.

Oficialmente, são candidatos os senadores Renan Calheiros (MDB-AL), Major Olímpio (PSL-SP), Davi Alcolumbre (DEM-AP), Angelo Coronel (PSD-BA), Esperidião Amin (PP-SC) e José Antônio Reguffe (sem partido-DF). Simone Tebet (MDB-MS) lançou candidatura avulsa em contraponto ao candidato oficial do partido: Calheiros.