*
 

O deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) considerou uma provocação a escolha de Damares Alves para o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos.

Se antes parecia uma ingratidão, agora fica claro que há uma intenção de afrontar o Magno Malta"
Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), aliado de Bolsonaro e integrante da bancada evangélica da Câmara

Desde o início da campanha de Jair Bolsonaro (PSL), o senador do PR era um dos cotados para assumir uma posição no primeiro escalão do presidente eleito. “Eu gosto muito da Damares, mas acho que ela também erra ao aceitar o convite, ignorando o Magno Malta”, completou Sóstenes. Damares é assessora lotada no gabinete do senador e candidato derrotado à reeleição.

Mais cedo, o presidente da frente parlamentar evangélica, deputado Takayama (PSC-PR), aplaudiu a escolha da pastora e advogada e disse que ela é “amada pela frente”.