Categorias: Política

Sob protestos e bate-boca, Câmara adia análise do Escola sem Partido

As discussões sobre o Projeto de Lei nº 7.180/2014, popularmente conhecido como Escola sem Partido, foram adiadas nesta quarta-feira (31/10) pela comissão especial da Câmara que analisa o tema. A decisão foi tomada pelo presidente do colegiado, deputado Marcos Rogério (DEM-RO), em meio a protestos e bate-bocas.

Manifestantes contrários à proposta tentaram acompanhar a reunião, sem sucesso. Parte deles foi barrada já no acesso ao Anexo 2 da Câmara dos Deputados. Apenas um grupo conseguiu entrar no plenário 8, onde ocorreria as discussões da pauta e a possível votação do texto.

Agora, a expectativa é de que a análise seja feita na próxima semana. Deputados contrários à proposta questionam a possibilidade de a nova sessão ser fechada ao público externo.

O relator do projeto, deputado Flavinho (PSC-SP), disse ao Metrópoles que há votos suficientes para aprovar a proposta, mas que será necessário contornar as objeções feitas pela oposição. “Eles estão obstruindo, mas não sabemos até quando poderão barrar a votação na comissão”, ressaltou o parlamentar.

Sessão para análise do Escola sem Partido foi tumultuadamore
Educadores contrários ao projeto levaram cartazes ao plenário 8, onde ocorreria a reuniãomore
Poucos manifestantes tiveram acesso à sala da comissão especial: a maioria foi barrada pela segurança da Casa já no acesso ao Anexo 2 da Câmaramore
Deputados divergem sobre a proposta: segundo relator, oposição está obstruindo a votaçãomore
Deputada Benedita da Silva conversa com manifestantes: na sessão, havia gente contra e a favor do PL. Para opositores, proposta é tentativa de amordaçar educadoresmore

 

Após a confirmação do cancelamento da sessão desta quarta (31), os deputados Ivan Valente (PSol-SP) e Chico Alencar (PSol-RJ) discutiram com um manifestante favorável ao Escola sem Partido e com o deputado Marco Feliciano (Podemos-SP).

Veja vídeo: 

Munidos de faixas com frases como “Abaixa essa mordaça”, participantes do protesto tentaram acessar o local onde a reunião seria realizada, mas foram barrados pelos seguranças da Câmara dos Deputados. Houve um princípio de tumulto (veja abaixo).

 

O projeto
Com base na proposta em análise, o professor não poderá “cooptar” os alunos para nenhuma corrente política, ideológica ou partidária. O texto também altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) – Lei Federal nº 9.394/96 – para afastar a possibilidade de ofertar disciplinas com conteúdo de “gênero” ou “orientação sexual”.

E mais, o docente não poderá incitar os alunos a participar de manifestações e também deverá indicar as principais teorias sobre questões políticas, socioculturais e econômicas. Os educadores devem observar ainda o respeito ao direito dos pais de que seus filhos recebam educação moral de acordo com suas convicções.

As mudanças são criticadas por docentes e especialistas em educação: muitos professores estavam entre os manifestantes que seguiram para a Câmara federa na tarde desta quarta (21) com o objetivo de participar da discussão do Escola sem Partido. O Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF) chegou a convocar os educadores brasilenses para irem à Câmara. A mobilização deve continuar na semana que vem.

Renan Melo Xavier

Formado em jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB), em 2017. Tem passagens pelo portal R7, jornal O Globo, Poder360 e pela Secretaria de Comunicação da Câmara dos Deputados. Atualmente, é repórter de Política Nacional do Metrópoles.

Últimas notícias

CCJ da Câmara retoma discussão da PEC sobre 2ª instância

Colegiado analisa constitucionalidade dos textos. Se aprovadas, PECs seguem para comissão especial, onde o conteúdo será debatido

5 minutos passados

Como os cães escolhem o seu humano favorito?

Não adianta ficar ao lado dele enquanto resolve coisas ao celular ou computador. Os animais precisam de atenção

5 minutos passados

Mulher é atropelada e morta por ônibus ao cair da garupa de moto

O filho da vítima seguia trajeto na avenida quando foi surpreendido pelo coletivo, que o fechou, segundo testemunhas

7 minutos passados

Dez fatos que você precisa saber sobre as sonecas do bebê

A primeira soneca do dia é a mais importante. Além desse conselho, veja outras formas de regular o sono do…

8 minutos passados

Ana Hickmann acolhe cachorro para se tornar cão-guia de instituto

Apresentadora ficou mais de um ano com Kira, que agora irá ajudar cadeirante

14 minutos passados

Bolsonaro inclui EBC em programa de privatização do governo

A estrutura foi criada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em 2008. Sindicatos reagiram à iniciativa

14 minutos passados