*
 

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), concedeu uma entrevista, ao vivo, para TV Globo nesta quinta-feira (1º/11). O deputado federal falou sobre diversos temas, como a indicação do juiz federal Sérgio Moro ao Ministério da Justiça, reforma da Previdência, imprensa, crime organizado e fusão dos ministérios da Agricultura e Meio Ambiente.

Sobre a nomeação de Moro na pasta da Justiça, o militar da reserva afirmou que o magistrado vai abrir mão de 22 anos de serviço para atender a uma missão. “Moro terá muito mais poder para combater o crime organizado como ministro do que trabalhando como juiz, como acontece agora”, disse Bolsonaro.

O deputado federal afirmou que a saída do juiz federal da Operação Lava Jato não enfraquece a força-tarefa. “Há outros juízes de muita qualidade e a juíza que substituirá Moro dará sequência ao seu trabalho.

Questionado sobre o que vai acontecer caso alguém do seu governo se envolva em escândalos de corrupção, o presidente eleito respondeu: “Vai pro pau”.

Outros temas
Fusão de ministérios  – Bolsonaro ainda não deixou clara sua posição sobre a fusão do Ministério do Meio Ambiente com o Ministério da Agricultura. Ele afirmou que ainda há mais dois meses para que seja resolvida a questão das pastas e que nada está certo. Mais cedo, em entrevista à emissoras católicas, o presidente eleito disse que “pelo que tudo indica”, a união dos ministérios não acontecerá.

Ele disse ainda que em seu governo terão três superministérios. “O da Economia, com Paulo Guedes; o da Defesa, com Augusto Heleno – e as Forças Armadas vão fazer sim parte da política nacional, não vai ficar no segundo plano como foi com PT e FHC [Fernando Henrique Cardoso]. E o Ministério da Justiça e da Segurança. O combate à corrupção e ao crime organizado é importante pra nós”, pontuou o presidente eleito.

Previdência e governo Temer – Jair Bolsonaro apoiou a reforma da Previdência. Para ele, medida será uma das prioridades de seu governo. O militar da reserva afirmou ainda que partes da reforma proposta pelo governo Temer poderão ser aproveitadas – mas não especificou quais seriam os pontos apoiados por sua gestão.