*
 

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), passará dois dias e meio em Brasília nesta semana. Às vésperas da viagem, ele enviou uma mensagem para destacar que o momento é de paz. O futuro chefe do Executivo nacional pediu aos adversários para que “relaxem” e abandonem o “ódio sem necessidade”.

“Estou vendo muitos derrotados politicamente pregando ódio sem necessidade, relaxem, cultivem o que dizem pregar que a alma fica em paz. Um conselho de quem quer ver todos bem”, assinalou Bolsonaro, na sua conta no Twitter, por volta das 23h desse domingo (2/12).

A expectativa para esta semana é de definição dos nomes dos titulares para os ministérios do Meio Ambiente e o de Cidadania (direitos humanos, mulheres e minorias). Bolsonaro chega à capital na terça-feira (4) para reuniões com as bancadas do MDB, PRB, PR e PSDB.

Reprodução/Twitter

A primeira reunião será na terça, com a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), confirmada para o Ministério da Agricultura. Bolsonaro já disse que o titular do Meio Ambiente terá de ter uma boa relação com a Agricultura. Inicialmente, o presidente eleito pensou em unificar as duas pastas, mas, depois, resolveu manter a separação.

Ainda na terça-feira, acompanhado do ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, que assumirá a Casa Civil, Bolsonaro se reunirá com as bancadas do MDB e PRB. As duas bancadas estão entre as maiores na próxima legislatura, com mais de 30 parlamentares cada.

Na quarta-feira (5), Bolsonaro e Onyx se reunirão com as bancadas do PR e PSDB. Também há encontros com embaixadores e audiência no Quartel General do Exército.

No domingo (2), o presidente eleito indicou que pretende decidir o nome que ocupará o Ministério do Meio Ambiente ainda nesta semana. “A gente espera que se resolva a questão do Ministério do Meio Ambiente. E, daí, fechou a questão”, disse. Segundo Bolsonaro, há “meia dúzia” de nomes sendo avaliados.

Para o novo ministério a ser criado, da Cidadania, que deverá reunir direitos humanos, mulheres e família, o nome cotado é o da pastora e advogada Damares Alves, assessora do senador Magno Malta (PR-ES). Porém, no fim de semana, Bolsonaro disse que ainda estava analisando nomes. O presidente eleito sinalizou que pretende reduzir o número de ministérios de 29 para 22.