Bolsonaro: “Não demos um não definitivo para acordo Mercosul-UE”

Presidente francês havia sinalizado que, se o Brasil deixar o Acordo de Paris, as negociações entre blocos econômicos podem travar

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 30/11/2018 18:15

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), negou nesta sexta-feira (30/11) em Guaratinguetá, no Vale do Paraíba (SP), ter dado um “não definitivo” para a tentativa de acordo entre o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e a União Europeia (UE).

Ele revelou que, após apelo do presidente da Argentina, Maurício Macri, o futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, recomendou “ter um pouco mais de paciência” na costura do acordo para que o Brasil não perca mercado.

“A partir do momento que requerem diminuir a quantidade de exportáveis nossos, essas commodities, logicamente, não pode contar com nosso apoio. Mas não é um ‘não’ em definitivo, nós vamos é negociar”, afirmou Bolsonaro.

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse na quinta-feira (29), em Buenos Aires, que a possibilidade de seu governo apoiar o acordo comercial entre UE e Mercosul depende da posição do presidente eleito do Brasil sobre o Acordo Climático de Paris.

Últimas notícias