O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) apresentou melhora e começa a retirada da alimentação parenteral. É o que mostra o boletim médico divulgado pelo o Hospital Israelita Albert Einstein, na tarde deste domingo (10/2). Ainda de acordo com os médicos, o chefe do Executivo “mantém boa evolução clínica e está afebril”. A pneumonia que o acometeu após a retirada da bolsa colostomia também regrediu.

Como ainda está se alimentando apenas de dieta cremosa, o presidente começou a consumir uma suplementação nutricional especializada por via oral. Bolsonaro permanece internado na unidade semi-intensiva do hospital, realizando exercícios respiratórios e de fortalecimento muscular, além de pequenas caminhadas.

O tratamento do presidente da República começou em 28 de janeiro após ter sido submetido a uma cirurgia no intestino. Na ocasião, foi retirada a bolsa de colostomia usada desde o atentado à faca sofrido na campanha eleitoral, no dia 6 setembro de 2018. Durante a internação, ele conduz o Executivo federal de um gabinete improvisado na antessala do quarto onde se recupera.

Procedimento cirúrgico
O procedimento foi comandado pelo médico gastroenterologista Antonio Luiz Macedo. O presidente da República deve permanecer no hospital até a completa recuperação.

Esta foi a terceira vez que Jair Bolsonaro passou por uma cirurgia desde que levou uma facada na barriga. O atentado aconteceu durante agenda da campanha presidencial em Juiz de Fora (MG). Adélio Bispo, responsável pelo crime, foi preso minutos depois e está detido no presídio federal de segurança máxima de Campo Grande (MS).