*
 

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, pediu união a parlamentares do MDB durante encontro com a bancada do partido na tarde desta terça-feira (4/12). Em discurso no gabinete de transição governamental, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), Bolsonaro disse não ter “vaidade nenhuma” no relacionamento com os emedebistas.

“Nesse momento que estamos aqui, fica o meu apelo, uma palavra de amizade que lanço a todos vocês aqui: vamos jogar juntos. Não existe vaidade nenhuma da minha parte”, disse Jair Bolsonaro.

Em outro momento da reunião, o presidente eleito disse que seu corpo ministerial terá voz em seu governo. “Nós não temos mais tempo a perder. Estamos montando um ministério que todos os ministros vão começar a existir”, declarou.

“Independência ativa” e candidatos à Presidência da Câmara
Até o momento, o MDB tem um representante no primeiro escalão do governo Bolsonaro. É Osmar Terra, que chefiará o Ministério da Cidadania. Deputado federal reeleito, o emedebista foi ministro do Desenvolvimento Social do governo de Michel Temer.

Líder do MDB na Câmara, Baleia Rossi (SP) reafirmou o discurso de Bolsonaro sobre a escolha de Terra para o ministério. O emedebista disse que o partido apoiou a decisão para a Cidadania, mas a indicação foi feita por uma frente parlamentar temática.

“O presidente Bolsonaro agiu corretamente ao dialogar com a sociedade e com as frentes parlamentares a formação de seu governo. Esse foi o compromisso que ele assumiu durante a sua campanha. Se ele fizesse diferente, já começaria a transição desonrando um compromisso”, declarou o emedebista.

Na última segunda-feira (3/12), o MDB afirmou que vai manter uma “independência ativa” e, em curto prazo, não fará nem oposição nem será base do futuro governo. “A partir de 1º de janeiro, o MDB manterá uma independência ativa. Apoiando medidas que buscam o crescimento do país, gestão eficiente e responsabilidade fiscal”, diz uma das mensagens publicadas pelo partido no Twitter.

O MDB tem dois pré-candidatos à Presidência da Câmara: Fábio Ramalho (MG) e Alceu Moreira (RS). O mineiro foi ao encontro munido com queijos e doces para presentear Bolsonaro.