Categorias: Política

Blindado, Onyx comparece à CCJ da Câmara para falar sobre armas

Compartilhe

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, chegou à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara nesta terça-feira (18/06/2019) para prestar esclarecimentos sobre o decreto das armas editado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O ministro entrou sob aplausos de políticos e assessores do governo e o presidente da comissão, o deputado Felipe Francischini (PSL), frisou antes do início da reunião que Onyx deverá responder somente perguntas referentes ao decreto e não serão permitidos outros assuntos.

O governo quer evitar que o ministro responda a assuntos incômodos ao Planalto, principalmente em relação ao vazamento de conversas da Operação Lava Jato. Os governistas insistiram para que o presidente da Câmara tomasse a palavra para possíveis assuntos incômodos com o objetivo de blindar o ministro.

A reunião também conta com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Helder Salomão (PT-ES).

Mesmo blindado, o assunto das armas é incômodo para o ministro. Entre deputados que apoiam o governo, há divisões sobre o assunto, principalmente de evangélicos que não aceitam a facilitação do acesso às armas.

Um dos deputados da bancada religiosa, Pastor Isidorio (Avante-BA), que costuma andar sempre com uma Bíblia na mão, levou cartazes com frases contra a liberação das armas “Disse Jesus: Amai-vos, não, armai-vos”, mostrava em um deles. Outro carregava o dizer: “Mais livros, mais educação, menos armas, igual a vida”

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia também compareceu à CCJ no início do discurso do ministro demonstrando apoio.

Maia participou ativamente das articulações para um acordo para que Onyx atendesse à convocação da CCJ.

Onyx foi convocado para explicar o decreto que liberou o porte de armas para uma série de categorias de trabalhadores.
Desde que o presidente assinou o documento, sua legalidade tem sido questionada por organizações que atuam na área da segurança pública no Brasil.
O decreto de nº 9.785 alterou a regulamentação anterior do Estatuto do Desarmamento, em vigor desde 2003, que liberava o porte para apenas 11 categorias, a maioria delas ligada à segurança pública e privada.

Luciana Lima

Jornalista formada pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), atua em redações de jornal, rádio, TV e internet desde 1998. Como repórter, trabalha na política nacional, em Brasília, atuando na cobertura das últimas campanhas eleitorais e reportando os fatos políticos e bastidores do Congresso e do Planalto. Também acompanhou acontecimentos internacionais de relevância, como a expansão da política externa brasileira na África e Oriente, o terremoto ocorrido no Haiti em 2010 e visitas presidenciais à Europa e à América Latina.

Últimas notícias

Família de DJ preso como suspeito de hackear Moro fica chocada

A pedido da defesa, a Polícia Federal adiou depoimentos para quando o advogado que defenderá os acusados estiver em Brasília

24 minutos passados

PF adia depoimento de suspeitos de invadir celular de Moro

Advogado de dois dos detidos exigiu que interrogatório só ocorresse quando ele chegasse a Brasília para acompanhar os clientes

35 minutos passados

Por R$ 9,6 bi, Petrobras vende mais 35% da BR Distribuidora

Com a operação, a distribuidora de combustíveis passa a ter controle privado. Em 2017, já haviam sido vendidos 29% das…

47 minutos passados

Fluminense vence Peñarol fora de casa e leva vantagem para o Maracanã

Yony González marcou os dois gols da equipe comandada por Fernando Diniz, que levou gol nos minutos finais da partida

52 minutos passados

Palmeiras começa mal, se recupera e arranca empate contra Godoy Cruz

Equipe paulista entrou no jogo irreconhecível, mas entrou no 2º tempo com outra postura e, graças, a Borja, igualou o…

1 hora passados

Sucesso em Águas Claras, Katsu Lamen House chega à Asa Sul

Casa é especializada no preparo de lámen e foi a primeira a investir exclusivamente na receita em Brasília

1 hora passados