Após saída de secretário, Guedes vai reestruturar Receita

Alvo de críticas pela defesa da criação do novo tributo, Marcos Cintra também enfrentou desgaste após cúpula do Fisco ameaçar deixar cargos

Foto: Rafaela Felicciano/MetrópolesFoto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 12/09/2019 8:09

A proposta de reforma tributária do governo nem sequer foi apresentada oficialmente, mas provocou nessa quarta-feira (12/09/2019) a primeira baixa na equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro (PSL), nove meses depois do início do governo. O ministro da Economia, Paulo Guedes, demitiu o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, para destravar a reforma que tem o objetivo de simplificar os tributos.

Sob críticas pela defesa da criação de um novo tributo nos moldes da extinta CPMF, Cintra também se desgastou no governo depois que a cúpula da Receita ameaçou deixar os cargos em protesto contra a interferência do presidente Bolsonaro no órgão.

Com a demissão de Cintra, Guedes vai promover ampla reestruturação no Fisco com a troca das chefias do órgão. Mas ela não deve ser feita de “supetão”.

Com a saída de Cintra, a proposta do governo deve perder a “cara da CPMF”. Ferrenho defensor do tributo, Cintra bateu de frente com as lideranças da Câmara, que não o aceitavam como interlocutor do governo para a reforma. Lideranças do Congresso, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal de Contas da União (TCU) também pressionaram Guedes a demitir o secretário.

Rogério Marinho, secretário de Previdência e Trabalho, é o mais cotado para assumir a articulação das negociações da reforma tributária, depois de ser o relator da reforma trabalhista, sancionada em 2017, e se empenhar para a aprovação da reforma da Previdência pelos senadores neste ano. Marinho já tem participado das discussões internas do grupo que prepara a proposta final de reforma. Guedes tinha avisado a interlocutores que, se Cintra não viabilizasse a criação da nova CPMF, não teria condições de ser o negociador da reforma tributária em nome do governo.

Origem
A fritura de Cintra se intensificou há um mês, quando os integrantes da alta administração da Receita ameaçaram deixar os cargos após Bolsonaro pedir mudanças na delegacia do Rio de Janeiro e atacar os fiscais pelo que chamou de “devassa” fiscal de familiares. Na época, ficou claro para o ministro que Cintra não tinha o comando de fato do órgão, um dos mais importantes na estrutura do governo.

O estopim para a demissão ocorreu na terça-feira, quando o secretário adjunto de Cintra, Marcelo Silva, antecipou pontos da proposta de reforma do governo, o que provocou a ira dos líderes da Câmara. Eles aguardam o texto da proposta e travam uma “briga de foice” com o Senado pelo protagonismo da reforma. No mesmo dia à noite, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi até o Ministério da Economia para uma reunião com Guedes e Marinho.

Segundo apurou o Estado, Maia comunicou a Guedes que se manifestaria publicamente contra a criação de um novo imposto sobre meios de pagamentos. Antes, numa reunião na Câmara, os líderes avisaram a Maia que, se ele não tomasse posição contra a proposta, travariam toda a pauta de discussão do Parlamento.

Pela manhã, antes da demissão, Maia e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), atacaram a ideia de recriar a CPMF.

Na avaliação de Guedes, a divulgação de informações não oficiais prejudicava o entendimento público de sua proposta de reforma. Ele não rejeitava a CPMF, mas a maneira como vinha sendo divulgada.

O ministro da Economia já havia se manifestado em favor de uma nova contribuição nos moldes da CPMF e vinha tentando emplacar a ideia com o presidente com o argumento de que geraria mais emprego por conta da desoneração da folha de pagamentos.

Véspera
Na noite anterior à demissão, Cintra cancelou os compromissos marcados para as primeiras horas da manhã à espera de uma conversa com Guedes e Maia. O secretário já sabia que a fala do seu adjunto, confirmando a criação de uma nova CPMF, provocara muito ruído e lhe custaria provavelmente o cargo.

No mundo político e nas redes sociais, as críticas à recriação da CPMF se espalharam e ataques foram disparados, sobretudo, contra Bolsonaro, que desde a campanha eleitoral tomara posição contra o tributo.

Nessa quarta-feira, no Twitter, Bolsonaro divulgou que a criação de um novo tributo nos moldes da extinta CPMF “derrubou” Cintra. De acordo com o presidente, Guedes exonerou, “a pedido”, Cintra por “divergências no projeto da reforma tributária”. Bolsonaro afirmou ter determinado que fique fora do projeto para reforma tributária “a recriação da CPMF ou aumento da carga tributária”.

Discórdia
A reforma tributária tornou-se alvo de discórdia em todas as frentes — um sinal de que o encaminhamento da questão pelo Ministério da Economia tem sido conduzido de forma confusa.

Enquanto o governo levava a proposta em banho-maria, o Senado e a Câmara dos Deputados saíram na frente, com a apresentação de duas Propostas de Emenda Constitucional (PECs) diferentes.

Últimas notícias