Ao sair do Senado, na tarde desta quinta-feira (21/2), o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), tentou colocar panos quentes na decisão do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, de recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). Presidente do PSL em Minas Gerais, Antônio solicitou à Corte que o inquérito para apurar possíveis candidaturas laranja do partido em seu estado seja analisado pelos ministros do STF e não pela Justiça local.

“Isso é uma decisão pessoal dele. Se ele achou que juridicamente tem direito, cabe a ele recorrer”, afirmou Alcolumbre. No entanto, ao ser questionado se o recurso do ministro pode atrapalhar o andamento da proposta da reforma da Previdência, enviada pelo governo Jair Bolsonaro (PSL) ao Congresso Nacional nessa quarta-feira (20), o presidente do Senado desconversou: “Isso é um problema do governo, e não do Senado”.

Reforma da Previdência
De acordo com Alcolumbre, caberá ao senador Tasso Jeireissati (PSB-CE) acompanhar o andamento da proposta da reforma da Previdência na outra Casa. O projeto ainda terá de ser analisado e votado na Câmara antes de chegar ao Senado Federal.

“A proposta foi entregue na Câmara. Temos de esperar. Mas queremos montar uma comissão para tentar acompanhar o projeto por lá. Vou conversar com os blocos e partidos, para ver o melhor caminho. Ainda há dúvida sobre a criação de uma subcomissão dentro da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ou de uma comissão especial”, completou o democrata.