Escritório do crime usava drones para monitorar futuras vítimas

Constatação parte de fotos extraídas do celular de Leandro Gouvêa da Silva, na qual ele monitorava Alcebíades Paes Garcia, morto no Carnaval

O grupo criminoso conhecido como “escritório do crime“, que cometia assassinatos encomendados pelo crime organizado e pelas milícias no Rio de Janeiro, monitorava as suas futuras vítimas por meio de drones.

A constatação parte de fotos extraídas do celular de Leandro Gouvêa da Silva, o Tonhão, na qual uma de suas prováveis vítimas aparece sendo monitorada com o uso dos aparelhos.

Segundo reportagem do jornal Extra, o celular foi apreendido em outubro de 2019 e, entre outras provas, as imagens levaram à Operação Tânatos, deflagrada na última terça-feira (30/6). Seu irmão, Leonardo Gouvêa da Silva, o Mad, também foi preso acusado comandar a facção desde a morte do ex-capitão da PM Adriano Magalhães da Nóbrega.

Segundo o jornal, as imagens do celular haviam sido apagadas e foram recuperadas por especialistas com um equipamento israelense conhecido como “chupa-cabras”. O alvo seria o pecuarista Alcebíades Paes Garcia, o Bid, irmão do bicheiro Waldemir Paes Garcia, o Maninho.

Bid foi executado em 25 de fevereiro deste ano, quando voltava da última noite de desfiles do Carnaval. De acordo com as investigações, a vítima ficou sob vigilância por quase um ano. Além do material fotográfico – incluindo imagens de drone -, havia mapas de localização dos locais frequentados pela vítima. O escritório também acompanhava as redes sociais.

1/27
Reprodução/Redes sociais
Série sobre a vida de Marielle Franco foi exibida no BBB20
PF e MP encontram elos entre capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Reprodução/Redes Sociais
Natalia SG/Metrópoles
Reprodução/redes sociais
Reprodução/ Mídia Ninja
Reprodução/ Mídia Ninja
PF e MP encontram elos entre Capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Reprodução/ Mídia Ninja
Reprodução/ Mídia Ninja
Homenagem à Marielle na Alerj
Reprodução/Mídia Ninja
Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos e Ronnie Lessa, de 48, são suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco (PSol-RJ) e seu motorista Anderson Gomes
ALESSANDRO BUZAS/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADAO CONTEUDO
ALESSANDRO BUZAS/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADAO CONTEUDO
ELISÂNGELA LEITE/ANISTIA INTERNACIONAL
PF e MP encontram elos entre capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Jean Wyllys e Marielle Franco
PF e MP encontram elos entre capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Marielle Franco foi morta em um ataque a tiros no dia 14 de março, no Rio de Janeiro. Seu motorista, Anderson Gomes, também foi atingido e não resistiu
Marielle Franco foi assassinada a tiros
Reprodução/ Instagram
Renan Olaz/CMRJ
A vereadora se engajou na luta pelos direitos das mulheres
Jose Lucena/futura press/Estadao
Renan Olaz/CMRJ

O celular que revelou o modo de agir dos criminosos foi apreendido na “Operação Submersus”, em 3 de outubro de 2019. Os alvos eram Elaine de Figueiredo Lessa, mulher do sargento reformado Ronnie Lessa. O PM é apontado como executor da vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes.